quinta-feira, 27 de outubro de 2011

As várias Canções do Exílio - 9 - Mário Quintana

O poeta gaúcho Mário Quintana também fez uma releitura da Canção do Exílio de Gonçalves Dias. No poema “Uma Canção”, de 1962, não há o exílio físico, mas um olhar crítico em relação a sua terra. É o se sentir exilado na sua própria terra, no lugar “onde?” e no tempo “agora?”. Por não se adaptar nem ao lugar e nem à realidade acaba por negar as palmeiras e os sabiás e, assim, “As aves invisíveis cantam em palmeiras que não há”.
Finalmente constata que se a terra é ingrata também é ingrato o filho, e passa a cantar a Canção do Exílio mesmo estando em seu torrão natal.

Uma Canção

Minha terra não tem palmeiras...
E em vez de um mero sabiá,
Cantam aves invisíveis
Nas palmeiras que não há.

Minha terra tem relógios,
Cada qual com sua hora
Nos mais diversos instantes...
Mas onde o instante de agora?

Mas onde a palavra "onde"?
Terra ingrata, ingrato filho,
Sob os céus da minha terra
Eu canto a Canção do Exílio!
(Mário Quintana)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adorei receber sua visita!
Ler seu comentário, é ainda melhor!!!
Responderei sempre por aqui.

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...