sábado, 29 de dezembro de 2012

Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Affonso Romano de Sant' Anna

Vai, ano velho

Vai, ano velho, vai de vez,
vai com tuas dívidas
e dúvidas, vai, dobra a ex-
quina da sorte, e no trinta e um,
à meia-noite, esgota o copo
e a culpa do que nem me lembro
e me cravou entre janeiro e dezembro.

Vai, leva tudo: destroços,
ossos, fotos de presidentes,
beijos de atrizes, enchentes,
secas, suspiros, jornais.
Vade retrum, pra trás,
leva pra escuridão
quem me assaltou o carro,
a casa e o coração.
Não quero te ver mais,
só daqui a anos, nos anais,
nas fotos do nunca-mais.

Vem, Ano Novo, vem veloz,
vem em quadrigas, aladas, antigas
ou jatos de luz moderna, vem,
paira, desce, habita em nós,
vem com cavalhadas, folias, reisados,
fitas multicores, rebecas,
vem com uva e mel e desperta
em nosso corpo a alegria,
escancara a alma, a poesia,
e, por um instante, estanca
o verso real, perverso,
e sacia em nós a fome
- de utopia.

Vem na areia da ampulheta com a
semente que contivesse outra se-
mente que contivesse ou-
tra semente ou pérola
na casca da ostra
como se
se
outra se-
mente pudesse
nascer do corpo e mente
ou do umbigo da gente como o ovo
o Sol a gema do Ano Novo que rompesse
a placenta da noite em viva flor luminescente.

Adeus, tristeza: a vida
é uma caixa chinesa
de onde brota a manhã.
Agora
é recomeçar.
A utopia é urgente.
Entre flores de urânio
é permitido sonhar.
(Affonso Romano de Sant'Anna)

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Thiago de Mello

A consciência 

Quem me acompanha, me guia,
quando me perco de mim?
Sei que não erro sozinho.
Quem me leva? Quem me lava?
Só a minha consciência,
que me faz ser e a quem faço:
tigre de garras ardentes,
cajado que me sustenta,
olhos de ágatas imóveis,
severo anjo que me guarda.
Mas às vezes me desguarda,
me desguarnece da espada
de orvalho que corta fúrias
e solta a rédea dos ímpetos.
Mas assim desguarnecido
é quando sou porventura
mais perto e limpo de mim.
(Thiago de Mello)

domingo, 23 de dezembro de 2012

Persona - Lêdo Ivo

Lêdo Ivo (Maceió, 18 de Fevereiro de 1924 - Sevilha, 23 de Dezembro de 2012)

Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Vinícius de Moraes

Poema de Natal
Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos —
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.
Assim será nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos —
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.
Não há muito o que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai —
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.
Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte —
De repente nunca mais esperaremos…
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.
( Vinícius de Moraes )

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Santa Rita é notícia - Inatel recebe 'Prêmio Finep de Inovação' em Brasília

Inatel recebe 'Prêmio Finep de Inovação' em Brasília

Instituto de Santa Rita do Sapucaí, MG, venceu etapas sudeste e nacional.

Entidade vai receber R$ 400 mil para desenvolver novas pesquisas.


O ministro Marco Antônio Raupp (Ciência, Tecnologia e Inovação), a presidenta Dilma Roussef, Marcelo Marques (diretor do Inatel) e Glauco Arbix (presidente da Finep - Agência Brasileira de Inovação). Foto: Agência Brasil.

O Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel), em Santa Rita do Sapucaí (MG), recebeu nesta quarta-feira (19) o Prêmio Finep de Inovação, na categoria "Instituição de Ciências e Tecnologia". A cerimônia foi realizada durante a tarde no Palácio do Planalto, em Brasília (DF). O prêmio foi entregue pela presidente Dilma Rousseff ao diretor do Inatel, Marcelo de Oliveira Marques.
O Prêmio Finep é o mais importante instrumento de estímulo e reconhecimento à inovação no país. Em novembro, o Inatel venceu a etapa sudeste e agora ganhou a etapa nacional. Com isso, a entidade vai receber R$ 400 mil para desenvolver novas pesquisas.
Em 15 anos, o Prêmio Finep já premiou mais de 500 empresas, instituições e pessoas físicas. Em 2012, foram 588 projetos inscritos em todo o país. A região sudeste teve 194 inscritos, sendo 105 de São Paulo, 48 de Minas Gerais, 35 do Rio de Janeiro e seis do Espírito Santo.
Fonte: G1 Sul de Minas em 19/12/2012

Minas são muitas - Passos

“Minas são muitas. Porém, poucos são aqueles que conhecem as mil faces das Gerais.” (Guimarães Rosa) 

Passos

Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus dos Passos (Foto do Sérgio Mourão)

Região: Sul
Padroeiro: Senhor Bom Jesus dos Passos
Festa do Padroeiro: 6 de Agosto

Localização


História

O primeiro nome do hoje importante município sul-mineiro foi Capoeiras, por estar, aquela época, situada a povoação dentro de uma densa capoeira.  O segundo nome – Vila Formosa do Senhor Bom Jesus dos Passos – foi dado ao antigo arraial das Capoeiras em virtude de o alferes João Pimenta de Abreu, devoto do Senhor Bom Jesus dos Passos, haver erigido o primeiro templo nesta cidade, em cumprimento de uma promessa.  Mais tarde o nome foi simplificado para Passos.
Os primeiros desbravadores da região foram os alferes João Pimenta de Abreu e seus parentes, que ali se fixaram, atraídos, sobretudo, pela topografia, fertilidade do solo e existência do ouro às margens do Rio Grande.  Em 1823, já era grande o povoado, quando Domingos Vieira de Souza e Joaquim Lopes da Silva construíram as suas fazendas que colaboraram para a formação do arraial.  Com o correr dos anos e a chegada de novos mineradores, o povoado se alargou, tornando-se conhecido em toda a província de Minas Gerais pelo nome de Arraial da Capoeira.  
Crescendo vertiginosamente a freguesia do Senhor Bom Jesus dos Passos foi elevada à categoria de vila, com a denominação de “Vila Formosa do Senhor Bom Jesus dos Passos”.
Continuando em franco progresso, a vila foi elevada à categoria de cidade em 1858, com a denominação de Passos.

Datas históricas

1840 – Criado o Distrito com a denominação de Vila Formosa do Senhor Bom Jesus dos Passos, subordinado ao município de Jacuí.   
1848 - Elevado à categoria de vila com a denominação de Vila Formosa do Senhor Bom Jesus dos Passos e desmembrado do município de Jacuí.
1858 - Elevado à condição de cidade com a denominação de Passos.

O município

Passos é um município do estado de Minas Gerais. Sua população, em 2010, era de 106.290 habitantes e ocupa uma área de 1.338,07 Km².
Agroindústria (açúcar, álcool, fermento, laticínios,); agropecuária (cana, café, milho, gado de corte e de leite, avicultura de corte e de postura, suinocultura); indústria confeccionista e de serviços. Atualmente a cidade está se destacando na indústria moveleira. A indústria mobiliária (móveis rústicos e finos) vem se destacando e ganhando expressão nacional pela sua qualidade de acabamento, design diferenciado e durabilidade. Comércio forte, infraestrutura de serviços institucionais e privados, aliados à tradicional hospitalidade mineira fazem do turismo de compras em Passos realmente um diferencial para quem visita a cidade.
A Avenida Com. Francisco Avelino Maia, conhecida também como Avenida da Moda, possui diversas empresas de confecção responsáveis por abastecer grandes centros comerciais como São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, etc. além de diversas lojas de varejo.
A poucos quilômetros do centro, na estrada que leva à Serra da Canastra, no Rio Grande, está o Porto Passos-Glória; trecho em que o rio já se encontra represado pela Usina de Peixotos. A travessia por Balsa e o por do sol são atrações imperdíveis; dezenas de bares e restaurantes fazem do “Porto” um dos mais agitados pontos turísticos de Passos. Esportes náuticos e a pesca são praticados constantemente e  favorecem o clima de amistoso do lugar; nas belas margens concentram-se também diversos ranchos de veraneio. 

Blog: Faltam 776 municípios.

Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Mia Couto

O espelho


Esse que em mim envelhece
assomou ao espelho
a tentar mostrar que sou eu.
Os outros de mim,
fingindo desconhecer a imagem,
deixaram-me a sós, perplexo,
com meu súbito reflexo.
A idade é isto: o peso da luz
com que nos vemos.
(Mia Couto)

Persona - Manoel de Barros

Manoel Wenceslau Leite de Barros (Cuiabá, 19 de dezembro de 1916)

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Fragmentos - O arroz de Palma

“Vejo-me aos 10, aos 20, aos 40 e poucos anos com alegre saudade. Claro que é possível. Há sempre algo engraçado na dor da lembrança. Quando cheguei aos 70 anos, chorei muito, choro acumulado. "Quanto tempo me resta? E no pouquinho de vida antes do fim, serei lúcido, serei lúcido? Esses riscos todos aí no rosto e no pescoço, tantos e tão fundos... Tia Palma, você está por perto? Me ensina alguma coisa nova, por favor, me ensina." E o choro vinha. E vinha. Incontido. Até que a voz - era a dela, tenho certeza - não fez drama, fez comédia: "Brinque de dar nome de rio às suas rugas, Antonio." Comecei a rir e a chorar ao mesmo tempo. "Que história é essa, Tia Palma?" Só fui entender quando, de imediato, identifiquei o Ganges, o Nilo e o Amazonas caudalosos em minha testa. E depois, o Tigre e o Eufrates - irmãos antiquíssimos - descendo à direita e à esquerda do nariz. E também o Paraná, e o São Francisco. No pescoço, altivos, o Tejo, o Tibre, o Tâmisa, o Volga e o Reno. Exultei ao reconhecer o Sena, o Prata e todos os seus afluentes em volta dos olhos. Era uma bela e estranha geografia. E chorei feito bobo ao ver aquele manancial de água me correndo pelo rosto. Água doce.”

(Francisco Azevedo em “O arroz de Palma”)

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Adélia Prado

Avará de demolição
O que precisa nascer
aparece no sonho
buscando frinchas no teto,
réstias de luz e ar.
Sei muito bem
do que este sonho fala
e a quem pode me dar
peço coragem.
(Adélia Prado)

Na vitrola aqui de casa - A triste partida

Persona - Luís Gonzaga

Luís ‘Lua’ Gonzaga do Nascimento (Exu, 13 de Dezembro de 1912 - Recife, 2 de Agosto de 1989)

Dica de diversão - Tributo a Elvis Presley

Clique na imagem para vê-la em tamanho maior.

A arte do Origami - Guirlanda de Natal VIII

Guirlanda de Natal VIII
Esta guirlanda eu encontrei aqui. São utilizados 18 pedaços iguais de papel quadrado. As peças modulares para formá-la são bem fáceis de fazer.

1 - Coloque o papel a sua frente, na posição quadrado com o avesso para cima. Dobre o papel ao meio no sentido vertical e horizontal. Vinque bem e desdobre.

2 – Dobre os cantos superiores, esquerdo e direito, até o centro. Vinque.

3 – Leve a parte inferior do trabalho até a base do triângulo formado. Pressione e desdobre.

4 – Leve o vinco formado no passo acima até a base do triângulo e vinque bem.

5 – Vire o trabalho.  Dobre as duas abas, esquerda e direita, sobre a lateral do triângulo como na figura acima.

6 – Dobre a borda inferior para cima.

7 – Vire o trabalho mantendo a ponta do triângulo para cima. Você deverá, neste ponto ter uma peça como a da figura acima.

8 – Dobre o trabalho ao meio, trazendo a ponta direita até à esquerda. Você deverá fazer outras 17 peças iguais a esta, repetindo os passos de 1 a 8.

9- Assista no vídeo acima como encaixar as 18 peças que você fez. Coloque adereços a seu gosto e um cordão para pendurá-la na parta ou na árvore de Natal.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Santa Rita é notícia - Pesquisa do Inatel possibilita implantação da 4G com menos custo


Pesquisa do Inatel possibilita implantação da 4G com menos custo

Testes mesclam a tecnologia e rádio sobre fibra para transmitir dados.
Redes permitem acesso 20 a 40 vezes mais rápido que tecnologia 3G.


O Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel), de Santa Rita do Sapucaí (MG), está desenvolvendo uma pesquisa com a tecnologia 4G (quarta geração), que busca convergir sistemas para transmissão de dados em alta velocidade, porém sem encarecer a estrutura para isso. Na prática, as redes 4G permitiriam um acesso de 20 a 40 vezes mais rápido, em média, do que o alcançado com as atuais redes 3G. Até o momento, foram obtidas taxas de transmissão de dados de até 26 MB/s (megabytes por segundo), quando a tecnologia 3G alcança uma média de apenas 256 kilobytes por segundo (kbps) e 1 MPs.
Os testes compõem os estudos para o desenvolvimento de um sistema de transmissão de dados que mescla as tecnologias 4G e rádio sobre fibra. Entre as principais vantagens dessa integração estão a diminuição dos custos operacionais e com infraestrutura para sua implantação, a utilização da mesma plataforma por diferentes operadoras ou provedoras de internet e a possibilidade de integração com sistemas de monitoramento e segurança e redes inteligentes de energia, como água e gás, por exemplo.
A pesquisa é feita por alunos de iniciação científica e mestrado em telecomunicações com a supervisão do professor Arismar Cerqueira. O projeto teve financiamento do Governo Federal. Foi instalada em vários pontos do campus da Inatel uma rede de 26 km de fibras ópticas para a pesquisa, que teve início em janeiro deste ano e terá a duração de quatro anos.
Pelo cronograma da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), em abril do ano que vem, todas as cidades-sede de jogos da Copa das Confederações terão que contar com o 4G. Ao final de 2013, o sinal deve estar disponível em todas as sedes e subsedes da Copa de 2014. As demais cidades, somente a partir de 2020. Para isso, deverão ser investidos entre R$ 12 bilhões e R$ 15 bilhões.
(Fonte: g1.globo.com em 11/12/2012)

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Na vitrola aqui de casa - Por enquanto

Historinhas - Revendo e (re)vivendo

Revendo e (re)vivendo


Estou ficando velha e como toda pessoa idosa pegando a mania de ficar rememorando histórias. Tenho a impressão de que são os últimos suspiros dos neurônios que teimam em dar um grito de guerra antes de se apagarem totalmente. Será? Será que são eles os culpados por todas essas lembranças que brotam em minha cabeça sem mais nem por quê?
Já contei que há algum tempo, tenho um baú imaginário onde vou guardando minhas lembranças. Ele vai aumentando de tamanho à medida que as histórias vão surgindo. São versos soltos, flutuando a espera de um poema, sons, aromas, sabores. Algumas vezes passo tardes inteiras revirando aquela bagunça, dando risadas, suspiros. Costumo recostar a cabeça e fechar os olhos para que tudo fique mais nítido. Se algum desprevenido chegar de repente e me encontrar assim, até falando sozinha, com certeza vai achar que estou ficando esclerosada com a idade. Não vai entender que estou (re)vivendo.
É só abrir a tampa e, como uma caixinha de música, a vitrolinha Sonata começa a tocar canções das brincadeiras dançantes das tardes de domingo. Os LP´s ficam girando sem parar e eu cantarolo junto tentando lembrar as letras que acompanhavam aquelas melodias suaves bem apropriadas para serem dançadas de rosto colado com o namorado.
Tem fotos que nunca foram feitas, mas que existem para fixar as lembranças na memória. Numa das fotos, a imagem da tia Cecília, baixinha, tímida com seus óculos “fundo de garrafa”.  No seu coração cabia nossa família inteira e ainda sobrava espaço para muitos outros amigos e inúmeros afilhados. Imediatamente sinto uma variedade imensa de cheiros misturados. São doces de figo, roscas, bolos, quitandas saindo quentinhas do forno a lenha da casa da vó Quininha. Não poderia uma pessoa tão de bem com a vida fazer algo que não fosse saboroso. Até hoje tenho saudade do Pão Dourado que fazia para nós, quando meus pais tinham algum compromisso noturno e ela ia lá para casa, na Vista Alegre, tomar conta da criançada. Ela fazia uma verdadeira mágica, uma transformação que deve ter inspirado Lavoisier a afirmar que “Na Natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”. Pegava o pão duro e velho, picava em fatias que eram molhadas com leite, passadas por ovos batidos e depois fritas. Da escumadeira, iam soltando fumaça, diretamente para um prato onde havia uma mistura de açúcar com canela em pó. Nem dava tempo de esfriar, já podíamos ir comendo (coisa que minha mãe não deixaria jamais). Iam pulando de uma mão para a outra numa inútil tentativa de fugir da quentura. Ficávamos com os dedos e o redor da boca melados, imundos de felicidade. Lambíamos o açúcar, passando a língua até acabar o que era doce. Muitos chamam esse doce de Rabanada. Eu me recuso. Pão Dourado tem muito mais som e gosto de infância.
No meu baú, tem uma grande mistura: tem a gargalhada gostosa da Fernanda, minha irmã, que ouço quando bate a saudade, meu primeiro vestido de festa, papeizinhos de bala enrolados, chamados de beijinhos, que ganhei do primeiro namorado. Num cantinho, embrulhado num papel de seda rosa, um pedacinho de Torrone que meu pai trazia quando ia trabalhar em outra cidade e que era repartido fraternalmente em nove pedaços. Tinha um sabor que nunca mais achei em nenhuma outra iguaria. Sabor de partilha, de família que dividia o pouco que tinha.
Bem no fundo tem uma caixa preta, fechada a cadeado, onde guardo as lembranças tristes. Só abro essa caixa quando já acordo com vontade de chorar. É nela que armazeno minhas perdas, minhas dores. Quando ela vai aumentando de tamanho, inchando e empurrando as paredes do baú, abro devagar, dobro tudo bem pequenininho e fecho novamente. Tranco bem para que nada teime em sair por aí estragando minha alegria ou diminuindo minha esperança.
Perto dela tem pessoas que muitas vezes se empurram para serem notadas. Hoje, naquele amontoado de personagens, apareceu uma que foi bem famosa em Santa Rita, tempos atrás. Seu nome era Hélio, mais conhecido como “Hélio do ataque”. E então me vem a lembrança...
Antigamente, era costume se fazer “footing” na praça. As meninas ficavam dando voltas, em grupo de três ou quatro com os braços dados, pelo lado mais interno da praça e os rapazes pelo lado externo, em sentido contrário. Era assim: as mulheres na mão e os homens na contramão. Quando se cruzavam, lançavam olhares apaixonados, o coração disparava e o rosto corava.
No coreto, havia um serviço de som para enviar músicas, tipo correio elegante musical. Muitas vezes o locutor dizia:
- Com todo amor e carinho, alguém oferece a alguém só esse alguém sabe quem.
E pelos alto-falantes tipo corneta, saía um som “parecido” com uma música da moda, que todas nós gostávamos e cada uma ficava se achando a recebedora de homenagem tão especial.
O tal do Hélio sempre estava por ali, parado com os braços cruzados, apreciando tudo. Os meninos davam algum dinheiro para ele e indicavam as vítimas que deveriam sofrer o ataque. Ele se aproximava, dava um grito apavorante, sacudindo as mãos e fazendo caretas. Era garota correndo desesperada para todos os lados e os meninos dando gostosas risadas. Também fui, várias vezes, alvo dessa brincadeira.
Um dia, não corri, resolvi contra-atacar e pagar para ver. Quando o Hélio deu seu ataque costumeiro, olhei bem para ele, emiti um grito tão estridente quanto o seu, balancei as mãos desordenadamente e fiz caretas que nem imaginava conhecer. Ele ficou parado sem esboçar nenhuma reação. O feitiço havia vira contra o feiticeiro.
Depois disso, nunca mais ele aceitou dar sustos em mim. Mas a minha maior vitória foi, nesse dia, ter conseguido preservar inteiro, sem nenhum arranhão, o salto do meu primeiro sapato de mocinha.

domingo, 9 de dezembro de 2012

Na vitrola aqui de casa - I've grown accustomed to his face

sábado, 8 de dezembro de 2012

Persona - Florbela Espanca

Flor Bela de Alma da Conceição Espanca  - Florbela Espanca (Vila Viçosa, 8 de Dezembro de 1894 - Matosinhos, 8 de Dezembro de 1930) 

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Minas são muitas - Sabinópolis

“Minas são muitas. Porém, poucos são aqueles que conhecem as mil faces das Gerais.” (Guimarães Rosa) 

Sabinópolis

Igreja Matriz de São Sebastião (Foto do Sérgio Mourão)

Região: Vale do Rio Doce
Padroeiro: São Sebastião
Festa do Padroeiro: 20 de Janeiro

Localização


História

Sabinópolis surgiu de um grande arraial nas montanhas do Vale do Rio Doce, entre os rios Correntes, Corrente-Canoas e Correntinho, nas encostas da Serra do Botelho, caminho dos bandeirantes que exploravam o ouro da região. 
Em 1805, Joaquim José de Gouveia e sua mulher Francisca Vitória de Almeida e Castro, fazendeiros abastados da cidade do Serro - Antiga Vila do Príncipe, e que não possuíam herdeiros, resolveram doar esse terreno que lhes pertencia a todos aqueles que quisessem construir suas casas no pitoresco recanto às margens do rio Correntes. 
Os primeiros moradores foram construindo a cidade ao redor da capela de São Sebastião, padroeiro da comunidade. 
O arraial recebeu o nome de São Sebastião dos Correntes em homenagem ao padroeiro da comunidade e à existência dos córregos de nomes semelhantes: Ribeirão Corrente, Corrente-Canoas e Correntinho. 
Por aqui passaram vários tropeiros que vinham de diversas regiões do Estado e, deslumbrados com o povoado fixaram residência com suas famílias, ajudando no crescimento da população. 
Em 1840, devido a sua evolução, o arraial se tornou distrito do município do Serro. 
Em 1923, foi criado o município de Sabinópolis. O nome foi dado em homenagem ao Doutor Sabino Barroso, ilustre filho do lugar, que foi constituinte de 1891 e Presidente da Câmara dos Deputados.

Datas Históricas

1840 – Criado o Distrito com a denominação de São Sebastião dos Correntes, subordinado a vila de Príncipe mais tarde Serro. 
!923 - Elevado à categoria de vila com a denominação de Sabinópolis e desmembrado de Serro.
1925 - Elevado à condição de cidade com a denominação de Sabinópolis. 

O município

Sabinópolis é um município do estado de Minas Gerais. Sua população, em 2010, era de 15.704 habitantes e ocupa uma área de 919,81 Km².
Sabinópolis dispõe de rico acervo histórico, constituído principalmente de bens imóveis tombados pelo Patrimônio Histórico Municipal. Entre eles, pode-se destacar o prédio da Escola Municipal de 2º Grau e o Sobrado Barroso, residência onde nasceu o pai do famoso compositor Ari Barroso.
O município caracteriza-se ainda por possuir uma grande área rural, responsável pela economia da cidade.
A principal atração do município é a Festa de Nossa Senhora do Rosário, que acontece no mês de agosto. A "Festa de Agosto", como é conhecida pela população, conta com o cortejo de reinado, caboclos, marujos, bumba-meu-boi e variados espetáculos em praça pública.
Às 5:00 h da manhã do Sábado da "Festa de Agosto", bandas de música percorrem as ruas da cidade tocando e acordando a população, ou melhor, acordando aqueles que já conseguiram dormir. É a "Alvorada", uma dentre as muitas tradições da Festa, que ajuda a enfeitar e alegrar o amanhecer do dia. Durante o cortejo, são prestadas homenagens a cada músico ausente.
A banda para por alguns segundos em frente à casa do músico, tocando somente seu respectivo instrumento, como lembrança. Após desfile e homenagens, é servido o tradicional caldo, num momento de descontração e confraternização.

Blog: Faltam 777 municípios.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Ninguém vive sem um pouco de poesia - Mia Couto

(Escre)ver-me


nunca escrevi
sou
apenas o tradutor de silêncios

a vida
tatuou-me nos olhos
janelas
em que me transcrevo e apago

sou

um soldado
que se apaixona
pelo inimigo que vai matar
(Mia Couto)

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Comercial legal - Seara

Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Adélia Prado

No meio da noite


Acordei meu bem pra lhe contar meu sonho:
sem apoio de mesa ou jarro eram
as buganvílias brancas destacadas de um escuro.
Não fosforesciam, nem cheiravam, nem eram alvas.
Eram brancas no ramo, brancas de leite grosso.
No quarto escuro, a única visível coisa, o próprio ato de ver.
Como se sente o gosto da comida eu senti o que falavam:
"A ressurreição já está sendo urdida, os tubérculos
da alegria estão inchando úmidos, vão brotar sinos."
Doía como um prazer.
Vendo que eu não mentia ele falou:
as mulheres são complicadas. Homem é tão singelo.
Eu sou singelo. Fica singela também.
Respondi que queria ser singela e na mesma hora,
singela, singela, comecei a repetir singela.
A palavra destacou-se novíssima
como as buganvílias do sonho. Me atropelou.
O que foi? - ele disse.
- As buganvílias...
Como nenhum de nós podia ir mais além,
solucei alto e fui chorando, chorando,
até ficar singela e dormir de novo.
(Adélia Prado)

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Na vitrola aqui de casa - Falando sério

Dica de diversão - XI Festival de poesias

Clique na imagem para vê-la em tamanho maior.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Dica de diversão - Música: A escuta como ponto de equilíbrio humano

Clique na imagem para vê-la em tamanho maior.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

A arte do Origami - Estrela de Natal IV

Estrela de Natal IV
Achei aqui o passo a passo desta estrela. Neste link, no final da postagem, tem também o vídeo para você seguir, se desejar.
É bem fácil de fazer. Fica bem bonita para enfeitar seus arranjos natalinos. 

1 – Você vai precisar de 5 quadrados iguais de papel.

2 – Coloque um dos papeis, na sua frente, na posição quadrado com o avesso para cima. Traga a lateral superior até a base.

3 – Agora leve a lateral esquerda até a direita e vinque bem.

4 – Desdobre totalmente e mantenha o avesso para cima.

5 – Traga o canto superior direito até o centro.

6 – Traga o canto inferior esquerdo até o centro.

7 – Gire o trabalho colocando-o como na figura acima. Leve a ponta inferior até o centro.

8 – Desdobre a ponta inferior. Veja que você obteve um triângulo na pare de baixo do trabalho.
9 – Leve a lateral direita até a base do triângulo.

10 – Você deve ter um trabalho como o da figura acima. Repita os passos de 2 a 10 para os outros 4 papéis.

11 – Para forma a estrela posicione uma das peças na posição horizontal e outra na vertical. Observe na figura acima como aparecem as partes em avesso. Introduza a peça da vertical na ranhura da horizontal. Veja bem que na parte de baixo do trabalho também deverá ser feito este encaixe. Os avessos deverão ficar escondidos tanto na parte de cima como atrás.

12 – Dobre para fazer a quina central da ponta da estrela. Desdobre.

13 – Repitas os passos 11 e 12 encaixando as outras 3 peças.

14 – O seu trabalho deverá estar como na figura acima. 

15 – Vire o trabalho e veja como ficou linda a sua estrela. Agora é só colar um adorno no centro e um cordão para pendurá-la em sua árvore de Natal.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Mia Couto

A vida deve ser bebida
Estou
E num breve instante
Sinto tudo
Sinto-me tudo

Deito-me no meu corpo 
E despeço-me de mim
Para me encontrar
No próximo olhar

ausento-me da morte
não quero nada
eu sou tudo
respiro-me até à exaustão

nada me alimenta
porque sou feito de todas as coisas
e adormeço onde tombam a luz e a poeira

A vida (ensinaram-me assim) 
Deve ser bebida
(Mia Couto)

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Santa Rita é notícia - Nokia investirá R$ 20 milhões em ações com desenvolvedores no Brasil


Nokia investirá R$ 20 milhões em ações com desenvolvedores no Brasil

Fabricante de celulares trará ao Brasil um laboratório de apoio à profissionalização de desenvolvedores de aplicativos

A Nokia realizou nesta quarta-feira (21) um evento para os desenvolvedores brasileiros de aplicativos. Mas mais do que convencer os jovens talentos a olharem para os ecossitemas Windows Phone e para Série 40 (aparelhos Asha), a multinaiconal finlandesa anunciou uma parceria com o governo Federal e com o Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel) para implementar a versão brasileira do mLab, uma incubadora local para o apoiar a profissionalização de desenvolvedores. 
"O desenvolvedor é um cara solitário, que as vezes não tem nem empresa. Temos hoje um campeão de vendas que não tem empresa aberta" explicou Almir Luiz Narciso, presidente da Nokia do Brasil. O resultado, explicou, é que os pagamentos do tal desenvolvedores estão sendo retidos e é este público que a multinacional quer apoiar. O mLabs estará aberto no início de 2013 em Santa Rita do Sapucaí, no interior de Minas Gerais. 
Os investimentos da Nokia em fortalecer seu ecossistema a partir do Brasil também se dará com a ampliação de seu programa em universidades. No próximo biênio a Nokia investirá cerca de R$ 20 milhões em ações junto aos desenvolvedores de aplicativos para o Windows Phone e o S40. De acordo com Narciso, esta verba será destinada para dar continuidade aos programas de incentivo e treinamento em universidades, que ja começaram a ser feitos no primeiro semestre. Desde o anúncio do programa, em julho de 2012, já foram atendidos 2,3 mil desenvolvedores em universidades de nove estados do Brasil. A meta, no curto prazo, é atender mais 1,2 mil estudantes e outras 32 universidades brasileiras nos próximos seis meses. 
O desenvolvimento de aplicativos é fundamental para o sucesso de um smartphone no mercado, por isso os esforços da Nokia neste sentido. A empresa, que já foi a maior fornecedora de celulares do mundo, conta apenas com a sétima posição no mercado de aparelhos inteligentes, de acordo com pesquisa do Gartner realizada no terceiro trimestre. 
Para avançar neste universo, a companhia, além estreitar seu relacionamento com os desenvolvedores, está ampliando as áreas em que eles podem atuar. Narciso aproveitou o Nokia Developer Day 2012 para informar que a companhia "abrirá a tecnologia de edição de imagem do Pureview para que os desenvolvedores possam trabalhar. Essa é uma novidade extremamente importante", disse. Os APIs das câmeras da Nokia também poderão ser acessadas pelos desenvolvedores interessados. Na área de mapas, a Nokia também anunciou novidades. A multinacional finlandesa criou algumas funcionalidades como o Nokia Mapas, Dirigir, Lente e outros. 
Globalmente, desde o anúncio da parceria com da Nokia com a Microsoft, em fevereiro de 2011, o número de aplicativos para Windows Phone saiu de 7 mil para mais de 120 mil. Já a Nokia Store brasileira, lcontabiliza 120 milhões de dowloands feitos por usuários de Symbian e Asha com previsão de atingir 150 milhões até o final do ano, com 65% dos dowloads realizados a partir de aparelhos Asha. 

(Fonte: http://www.telesintese.com.br  em 21/11/2012)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...