terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Camões

Sete anos de pastor Jacó servia
Sete anos de pastor Jacó servia
Labão, pai de Raquel, serrana bela;
Mas não servia ao pai, servia a ela,
E a ela só por prêmio pretendia.

Os dias, na esperança de um só dia,
Passava, contentando-se com vê-la;
Porém o pai, usando de cautela,
Em lugar de Raquel lhe dava Lia.

Vendo o triste pastor que com enganos
Lhe fora assim negada a sua pastora,
Como se a não tivera merecida,

Começa de servir outros sete anos,
Dizendo: — Mais servira, se não fora
Para tão longo amor tão curta a vida!

(Luís Vaz de Camões)

Comercial legal - Coca-Cola

domingo, 22 de dezembro de 2013

Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Adélia Prado

Lapinha
Quando éramos pobre e eu menina,
era assim o Natal em nossa casa:
quatro semanas antes
a palavra Advento sitiava-nos,
domingo após domingo.
Comeríamos melhor naquele dia,
seríamos pouco usuais:
vinho, doces, paciência.
Porque o Menino estremecia no feno
e nos compadecíamos de Deus até as lágrimas.
Olhando a manjedoura, o que eu sentia
- sem arrimo de palavras-
era o que sinto ainda:
"O desejo de esbeltez será concretizado."
À luz que não tolera excessos,
o musgo, a areia, a palha cintilavam,
a pedra. Eu cintilava.
(Adélia Prado)

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Modos e modas - Decorações de Natal em papel

Decorações de Natal em papel


Ainda dá tempo de fazer adornos de Natal para enfeitar sua casa. 
Veja o que achei aqui. É só imprimir, recortar e montar. Simples assim. 
As estrelas estão aqui e as bolas aqui.

Bão dimais - Pernil de porco com abacaxi

PERNIL DE PORCO COM ABACAXI

INGREDIENTES: 1 pernil de porco com 6 quilos * 1 garrafa de vinho branco seco * ½ copo de suco de limão * 6 dentes de alho * 2 cebolas * 1 pimentão * 2 folhas de louro * 2 cravos-da-índia torrados e moídos * 1 abacaxi grande * 1 colher (sopa) de mostarda * 1 colher (sopa) de molho Inglês * ½ xícara (chá) de azeite * manteiga * cheiro verde * sal * pimenta 
MODO DE FAZER: Fure toda a carne com um garfo ou com a ponta de uma faca e coloque numa vasilha. Tempere com sal, o alho socado, pimenta, o molho Inglês, o cravo, o azeite e a mostarda. Regue com o vinho, o suco de limão e 2 copos de água. Junte as cebolas em rodelas, o louro, o pimentão em tiras e boa porção de cheiro verde. Cubra e deixe repousar até o dia seguinte. Retire a carne dos temperos, besunte bem com manteiga e arrume num tabuleiro. Cubra com papel alumínio e leve ao forno moderado para assar. De vez em quando, erga o papel e regue a carne com os temperos coados e o molho da assadeira. Quando o pernil estiver quase cozido, cubra-o inteiramente com rodelas de abacaxi (prenda com palitos). Salpique manteiga sobre o abacaxi, regue com o molho da assadeira e deixe acabar de assar. Depois de pronto, arrume numa travessa, solte as fatias de abacaxi e guarneça ao redor.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Miguel Torga

Confiança
O que é bonito neste mundo, e anima,
É ver que na vindima
De cada sonho
Fica a cepa a sonhar outra aventura...
E que a doçura
Que se não prova
Se transfigura
Numa doçura
Muito mais pura
E muito mais nova...
(Miguel Torga)

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Modos e modas - Guirlanda de chá

Guirlanda de chá

Sabe aquele (a) amigo (a) que tem tudo e você não sabe o que dar de presente no Natal? Ele (a) gosta de chá? Então está resolvido seu problema. Faça você mesma uma guirlanda de Natal, que achei aqui, para ele. É fácil, fica bonita e você ainda pode reciclar materiais que já tem.

Você vai precisar de:
1 pedaços de papelão grosso
Papéis decorados
24 prendedores de roupa em madeira
Cola quente
Cola branca
Fita para pendurar
Lixa de unha

1- Desenhe um círculo grande no papelão. Faça outro círculo menor. A largura entre os dois deverá ser de 5 cm. Corte o papelão conforme a figura acima.  

2 - Cubra seu círculo de papel decorado. Corte o papel deixando uma margem para ser picotada e colada para fazer o acabamento. Para isso você pode usar cola branca.

3 – Corte tiras de papel decorado um pouquinho mais largo que a largura dos prendedores. 

4 - Cubra os prendedores de roupa  colando as tiras com cola quente. Lixe as beiradas dos prendedores para dar o acabamento retirando as aparas. 

5 - Cole os prendedores na guirlanda, com a “boca” para fora,  mantendo espaçamento uniforme. 

6 – Prenda um pedaço de fita em sua coroa para pendurar. Espere secar bem e coloque os saquinhos de chá nos prendedores. Agora é só colocar o presente em uma caixa bonita e dar o presente para seu amigo (a). Ele (a) irá gostar!!!

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Modos e modas - Presépio de papel


Na minha casa, sempre montamos um presépio no Natal.  Abrir a caixa com as imagens, guardadinhas enroladas em jornal velho, era sempre uma festa. Cada ano era uma nova descoberta. Víamos detalhes que até então não havíamos observado.  
Você não passou por isso quando criança? Ainda é tempo. Por que não ter seu próprio presépio?
Não importa se de louça, argila, gesso...
Encontrei aqui este presépio feito de papel e você pode fazer o download das peças aqui, aqui e aqui.
Que tal coloca-lo em sua mesa de trabalho?
Bom trabalho com bênçãos natalinas!!!  

sábado, 30 de novembro de 2013

Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Fernando Pessoa

Para Além da Curva da Estrada
Para além da curva da estrada
Talvez haja um poço, e talvez um castelo,
E talvez apenas a continuação da estrada.
Não sei nem pergunto.
Enquanto vou na estrada antes da curva
Só olho para a estrada antes da curva,
Porque não posso ver senão a estrada antes da curva.
De nada me serviria estar olhando para outro lado
E para aquilo que não vejo.
Importemo-nos apenas com o lugar onde estamos.
Há beleza bastante em estar aqui e não noutra parte qualquer.
Se há alguém para além da curva da estrada,
Esses que se preocupem com o que há para além da curva da estrada.
Essa é que é a estrada para eles.
Se nós tivermos que chegar lá, quando lá chegarmos saberemos.
Por ora só sabemos que lá não estamos.
Aqui há só a estrada antes da curva, e antes da curva
Há a estrada sem curva nenhuma.
(Fernando Pessoa - Alberto Caeiro)

Persona - Fernando Pessoa

Fernando António Nogueira Pessoa (Lisboa, 13 de Junho de 1888 — Lisboa, 30 de Novembro de 1935)

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Dica de diversão - Imperdível!!!

Clique na imagem para vê-la em tamanho maior.

Bola de Natal

Bola de Natal


Natal chegando.... Hora de enfeitar a casa! Que tal fazer sua própria bola de Natal?
É fácil e você pode fazê-la reciclando os cartões de Natal antigo e em diferentes tamanhos.
Uma boa ideia é fazê-la com fotos das pessoas da família...

1) Comece por cortar 21 círculos. Um deles servirá como molde para que todos sejam depois dobrados de forma igual.
2) Estas são as instruções para se fazer o molde. (1) Pegue um dos círculos. (2) Dobre-o ao meio. (3) Dobre ao meio novamente para fazer um X em seu círculo. (4) Dobre uma pequena parte para o meio. (5) Dobre outra parte de tamanho igual para o meio, sobrepondo à primeira parte. (6) Dobre a terceira parte sobre as outras, criando um triângulo (tente manter as partes tão iguais quanto possível). (7) Cortar as abas, deixando seu triângulo equilátero (todos os lados iguais) como o modelo. (8) Agora que você já tem o molde, basta coloca-lo sobre outro círculo e dobrá-lo acompanhando o molde. (9) Remova o molde e você tem a peça básica que vai fazer a sua bola de Natal. Repita a operação para todos os outros círculos.
3) Tome 10 de suas peças e alinhe-as, alternando a ponta do triângulo para cima e para baixo. 
4) Cole as abas laterais dos triângulos formando uma tira. É bom colocar um clips ou prendedor de roupa e esperar a cola secar para juntá-los bem. 
5) Agora cole o começo e o final da tira e cole. Aqui está como deve ficar depois da colagem. Esta será a parte do meio do seu ornamento. Reserve.
6) Separe as 10 peças restantes em duas porções com 5 círculos cada uma como na figura acima. Posicione os triângulos com as pontas para o centro. 
7) Cole as abas que se encontram. Você terá duas peças de cúpula.
8) Cole uma cúpula na peça reservada no passo 5. 
9) Vire o trabalho e cole a outra cúpula. E aqui está o trabalho acabado! 
10) Para pendurar na árvore de Natal, basta fazer um furo em uma das abas e passar um cordão.

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Dica - Cidade criativa, cidade feliz



Clique na imagem para vê-la em tamanho maior.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Dica - Lançamento do livro "Os gols de Pizzatinho no campo e na vida"

Clique na imagem para vê-la em tamanho maior.

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Na vitrola aqui de casa - Aquarela do Brasil

Persona - Ary Barroso

Ary de Resende Barroso (Ubá, 7 de Novembro de 1903 – Rio de Janeiro, 9 de Fevereiro de 1964) 

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Historinhas - Por mares nunca dantes navegados

Por mares nunca dantes navegados
Desde menina que tenho essa mania de tentar descobrir o que as pessoas estão pensando. Na missa dominical das crianças, mal sabia a Dona Maria Trindade que aquela menina de carinha contrita estava na verdade passeando em outro paraíso – o da imaginação. Ficava ali sentadinha com a cara mais santa do mundo, como quem prestava a maior atenção em tudo o que o Padre José dizia, mas os olhos teimavam em dar uma voltinha com o rabo do olho para ver se pescava alguma coisa mais interessante que os textos sagrados. Quase sem querer me deparava com os olhos de uma senhora. Suas pupilas giravam sem parar e logo eu achava que elas formavam um ponto de interrogação e pensava:
_ Será que ela esqueceu o feijão no fogo? Ou foi o ferro elétrico que ficou ligado? e isto eu pensava lembrando de minha mãe. Sempre que saíamos de casa e, já estávamos quase na esquina, ela resolvia fazer estas benditas perguntas. E eu respondia:
_ Desligou, mamãe.
Mas a consciência pesava e eu ponderava:
_ Não sei, acho que desligou.
Santa consciência! Lá ia eu morro acima verificar se o fogão e o ferro elétrico estavam desligados.
E eu voltava novamente a olhar a mulher e refletia. Se ela não esperar a benção final é porque está mesmo achando que deixou algo ligado. Muitas vezes me esquecia de me certificar desta ponderação no final da missa, pois já tinha ido navegar por outros mares.
Pesquisava novamente, procurando por uma nova vítima. Ah! Achei o véu mais bonito da igreja! Era a Dona Maria Teresa Capistrano com seu véu preto com flores acinzentadas. Como não achava cinza uma cor bonita, enxergava aquelas flores todas prateadas e brilhando. Meu Deus! Ela hoje está com a expressão muito preocupada. Algum dos seus filhos deve estar doente... Imediatamente contava um, dois, três... Seis. Mas será que são sete filhos que ela tem? Por que não contei a semana passada? Agora vou ficar com esta dúvida... Mas que alguém deve estar doente, lá isso deve. Se não for filho, é o marido ou a mãe que já está bem velhinha.
Depois ia achando uma estampa de vestido muito bonita. Rosas, margaridas, flores do campo impressas sobre fundo negro. Muito sabida que era, imediatamente vinha na minha cabeça: esse pano se chama Mamãe Dolores igual a personagem da novela da televisão que minha vó Anizia gostava de acompanhar diariamente. Quando esteve na moda uns tecidos com estampas geométricas, eu me embaraçava naqueles labirintos em preto e branco e quase ficava enjoada de tanto fazer curvas.
E assim acabava a missa das crianças. Entre um passeio e outro, nem sentia o tempo passar.
Outro dia, dei para navegar nos pensamentos de Dona Sinhá Moreira. Deve ter pensado: Vou ser semeadora de sonhos. Abrir horizontes para aqueles que estão começando uma família. Vou criar um bairro com casinhas singelas, iguais e diferentes ao mesmo tempo. A cada uma darei um detalhe particular no alpendre. Alguns serão em arco, outros quadrados, em semicírculo e tudo mais que a geometria, a arquitetura e a habilidade dos pedreiros permitir. As ruas não terão nomes de pessoas mortas. Quero celebrar a vida. Elas terão nomes de sentimentos bons, para que eles sejam sempre renovados, ou das coisas belas da natureza, para que os moradores se lembrem do construtor maior do universo.
Chamarei Rua Alvorada esta que sobe até a Praça Vista Alegre de onde os moradores avistarão toda a cidade e poderão descansar no final da tarde brincando com seus filhos. A continuação dela será Rua do Crepúsculo, como no dia. Amanhecer, entardecer.
Nesta outra esquina haverá o encontro da Rua da Harmonia com a Rua da Felicidade, pois uma não pode existir sem a outra. Harmonia sempre traz felicidade e não há felicidade sem harmonia. Ficarão ligadas como irmãs siamesas. Na Rua da Harmonia colocarei também uma gruta em homenagem a Nossa Senhora de Lourdes. Ela zelará para que haja sempre harmonia entre as famílias que habitarão esse lugar.
O cemitério da cidade ficará localizado no cruzamento das ruas Felicidade e Crepúsculo. O começo e o fim. A vida.
Haverá também a Rua da Inspiração e da Esperança.
Depois de tudo pronto, as novas famílias irão chegando e aos poucos tomarão conta do lugar. Seus risos serão ouvidos pelas ruas que conhecerão de cor seus passos.
Na Rua da Esperança, haverá uma exímia doceira chamada Jandira que alimentará os sonhos dos noivos e das debutantes. A esperança de um futuro feliz será estampada em seus bolos ornamentados com príncipes, princesas, lagos azuis e pontes. A Inês Pivoto ocupará a esquina da Esperança com Inspiração. Ela precisará de muita inspiração para confeccionar os vestidos esvoaçantes imaginados pelas noivas e debutantes. Para os sonhos das crianças, terá a Dona Zica do Seu Cunha. Fará os vestidos especiais para as pequenas mocinhas do bairro. Mesmo se for o único, será inesquecível. Quase em frente dessa casa, haverá outra construtora de sonhos: a Marli Marques. Será a costureira ideal para a ilusão grande e o dinheiro parco da maioria dos moradores. Nem por isso, sairão de suas mãos habilidosas sonhos menores. Os modelos e tecidos serão relembrados em encontros futuros. E o êxtase do encanto acontecido voltará como alegria. O Antônio Sancho ficará bem ao lado de sua irmã Amélia para que seus filhos cresçam juntos e sejam além de primos, grandes amigos. E nessa casinha da Rua da Esperança, número 61 nascerá uma menina que mesmo quando estiver com 61 anos não perderá a esperança de que o futuro será sempre melhor que o presente.
Ah!!! Agora entendi porque nasci numa casinha com a varanda em arco onde os dias eram sempre felizes. Dona Sinhá tinha razão!!!

Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Sophia de Mello Breyner

O mar dos meus olhos
Há mulheres que trazem o mar nos olhos
Não pela cor
Mas pela vastidão da alma

E trazem a poesia nos dedos e nos sorrisos
Ficam para além do tempo
Como se a maré nunca as levasse
Da praia onde foram felizes

Há mulheres que trazem o mar nos olhos
pela grandeza da imensidão da alma
pelo infinito modo como abarcam as coisas e os homens...
Há mulheres que são maré em noites de tardes...
e calma
(Sophia de Mello Breyner Andresen)

Santa Rita é notícia - Ideia de alunos do Inatel é premiada em feira de tecnologia

Ideia de alunos do Inatel é premiada em feira de tecnologia

Dupla criou novo tipo de provedor de internet com fibra ótica. 
Projeto foi todo idealizado em Santa Rita do Sapucaí (MG).

Veja a reportagem em vídeo aqui.

Uma ideia de dois estudantes de engenharia elétrica do Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel) de Santa Rita do Sapucaí (MG) foi a vencedora em uma feira de tecnologia realizada no Rio de Janeiro (RJ) na categoria start-up.  A dupla de alunos desenvolveu um sistema de banda larga para internet com fibra ótica, que além de proporcionar velocidade maior que os provedores atuais, deixa o custo mais acessível a grande parte dos usuários.
A dupla vencedora confessa que não imaginava conseguir a premiação, que dá também aos vencedores uma viagem ao Vale do Silício, na Califórnia, para conhecer uma grande empresa de chips de computadores. Depois de ficarem entre os 10 projetos classificados, apresentaram o trabalho para especialistas e deixaram para trás oito equipes nacionais e uma da Argentina.

“Era uma apresentação de cinco minutos em que tínhamos que apresentar o projeto,o produto e ainda vendê-lo. Foi muito difícil, mas eu fiquei até emocionado porque não esperava que conseguiríamos o prêmio”, contou o autor da ideia, Magno Nogueira.


Estudantes do Inatel conquistaram o 1º lugar no prêmio (Foto: Edson Silva/ Reprodução EPTV)

Na prática, trata-se de um equipamento para provedores de internet banda larga, que utiliza a fibra ótica. “Nós fizemos pesquisas em cima das tecnologias já existentes e mesclamos elas, para desenvolver algo que seja bom e a um preço acessível”, disse.
Desta forma, durante 1 ano e meio a dupla estudou e desenvolveu a melhor forma de apresentar o produto ao cliente. O resultado é que apenas um provedor pode ser acessado por até 14 casas de uma única vez. Já o aparelho criado pelos estudantes custa R$ 168, enquanto outro, similar, não sai por menos de R$ 500. “Valeu por todo esforço, já que agora vendemos ele para 11 estados, 70 provedores já compraram, é algo bem aceito”, comentou Clóvis Juliano de Carvalho.

Para o gerente da incubadora de projetos do Inatel, a conquista é muito boa. “Eles são bastante empreendedores e trouxeram um projeto promissor. Uma solução que pode contribuir para o desenvolvimento do nosso país”, comentou o coordenador geral, Rogério Abranches da Silva.

A empresa ainda está na incubadora, mas a tecnologia da dupla já é utilizada. Em Pouso Alegre (MG), um provedor de internet já contratou o serviço. “O retorno com os clientes tem sido satisfatório e o preço pago também caiu. O cliente que tem o meio de fibra ótica recebe o link com mais velocidade, qualidade e estabilidade”, considerou o analista de sistemas Arthur Távora.

(Fonte: http://g1.globo.com/ em 05/11/2013)

Persona - Sophia de Mello Breyner Andresen

Sophia de Mello Breyner Andresen (Porto, 6 de Novembro de 1919 - Lisboa, 2 de Julho de 2004) 

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Ôncofui - Gonçalves - MG

sábado, 2 de novembro de 2013

Santa Rita é notícia - Empresas de Santa Rita do Sapucaí preveem expansão

Empresas de Santa Rita do Sapucaí preveem expansão

Receita do polo deve crescer até 10% e somar R$ 2,2 bilhões neste ano.

Apesar de algumas das 150 empresas do Vale da Eletrônica, em Santa Rita do Sapucaí (Sul de Minas), estarem descapitalizadas, em consequência das oscilações do dólar nos últimos meses, as expectativas ainda são positivas para este ano. Segundo o presidente do Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Vale da Eletrônica (Sindivel), Roberto de Souza Pinto, o faturamento em 2013 deve chegar a R$ 2,2 bilhões, o que representará crescimento de 8% a 10% em relação ao exercício anterior.
"É um incremento modesto, se comparado aos dos últimos oito anos, de cerca de 30% ao ano", observa Souza Pinto, lembrando que, em um ambiente de empresas novas e jovens empreendedores, é natural que haja crescimento. Conforme ele, as variações da moeda americana nos últimos meses foram um grande desafio para o setor.
Com a alta, explicou, os empresários tiveram que tirar do capital de giro para compensar a elevação dos preços de insumos importados, já que a vigência dos contratos é de cerca de 120 dias. Com o custo de importação acima do valor da tabela, e com o comportamento do mercado brasileiro, "resistente à remarcação de preços", o faturamento será menor do que o esperado.
"Para nós, não há faixa de dólar ideal. O que precisamos é de estabilização", explicou. Isto porque, de acordo com ele, quando o dólar sobe muito, o produto brasileiro, de Santa Rita do Sapucaí, com maior valor agregado, fica mais competitivo. "Mas, neste caso, ficamos mais dependentes do capital de giro para importar a matéria-prima, o que é um grande gargalo".
Já no caso da valorização do real frente ao dólar, disse, o produto importado fica mais barato e a produção brasileira tem mais dificuldade para enfrentar a concorrência dos importados. "Mas, em compensação, com capital de giro, é possível produzir em maior volume e com ganho de produtividade", ponderou, ressaltando que o setor é também exportador.
Para estimular o grupo exportador do Vale da Eletrônica, o Sindivel realizou neste ano "19 ações para exportações". São rodadas de negócios em que empresários estrangeiros, a convite do sindicato, têm a oportunidade de conhecer a produção local e fazer negócios. "Vendemos para 42 países e somos os maiores exportadores de aparelhos de transmissão digital do mundo", garante Souza Pinto. O maior mercado consumidor é formado pelas américas do Sul e Central e Europa, além dos países da Ásia.
Para o dirigente, que na última semana esteve na China em missão empresarial, ao lado de dez empreendedores, para o Brasil ganhar competitividade será preciso rever a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), criada no Brasil há 70 anos. Segundo ele, nessa viagem, ele pôde ver de perto que, na China, o custo da mão de obra do setor fica entre 60% e 70% abaixo do apurado no Brasil. Sem contar a diferença dos encargos trabalhistas. Enquanto no Brasil "é o dobro do salário", no gigante asiático não passa de 10%.
(Fonte: Diário do Comércio em 29/10/2013)

De onde vem? - Lobo em pele de cordeiro

Lobo em pele de cordeiro
A expressão “lobo em pele de cordeiro” é usada com a finalidade de identificar pessoas dissimuladas que disfarçam sua má índole para alcançar os seus objetivos, quase sempre de forma desonesta. É aquele que engana para obter proveito. Por isso, vale o aviso: é bom estar sempre prevenido.
O lobo vestido de cordeiro é traiçoeiro, se faz de bonzinho, esconde as garras por trás de uma bondade perigosa. O “lobo em pele de cordeiro” é o “inocente e inofensivo” que se aproveita para tirar vantagem dos desavisados, portando-se, então, como um lobo traiçoeiro.
A fábula “O Lobo em pele de Cordeiro” foi reescrita por vários autores. A expressão tem origem numa frase de uma parábola proferida por Jesus no Novo Testamento: “Cuidado com os falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores” (Mateus 7:15-20). Continuando temos: “Pelos seus frutos os conhecereis” como que avisando que é através das ações que tomamos conhecimento do verdadeiro caráter das pessoas.
Em uma versão da fábula, o lobo se disfarça com uma pele coberta de lã e assim consegue entrar no rebanho de ovelhas, fazendo-se passar por uma delas tanto na aparência como no procedimento fingido e aproveita dessa condição para devorar as inocentes e desprevenidas vítimas. A moral da história, que se apoia na interpretação bíblica, é que as pessoas não devem ser julgadas por sua aparência exterior, mas pelas suas obras, pois muitos têm pele de cordeiro e agem como lobos.
Numa outra versão, um lobo esfomeado tem a ideia de se disfarçar para conseguir mais facilmente a comida de que precisava. Cobre-se com uma pele de cordeiro e junta-se a um rebanho de ovelhas que estava a pastar, certo que, dessa forma, poderia enganar o pastor responsável pela vigilância dos animais. Consegue seu intuito, tanto que no fim da tarde é levado para um celeiro, juntamente com o resto do rebanho.
Quando já era noite, o pastor vai providenciar um pouco de carne para o dia seguinte, e pega a primeira ovelha que encontra no celeiro. Era o lobo que fingia ser cordeiro. Desta vez o ensinamento transmitido é o de que sempre que enganamos os outros, pagamos pelo nosso erro.
Fica a pergunta: Quantos lobos você conhece?

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Dica de diversão - Cidade criativa - Cidade feliz

Clique na imagem para vê-la em tamanho maior

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Na vitrola aqui de casa - Misty blue

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Miguel Torga

Biografia
Sonho, mas não parece.
Nem quero que pareça.
É por dentro que eu gosto que aconteça
A minha vida.
Íntima, funda, como um sentimento
De que se tem pudor.
Vulcão de exterior
Tão apagado,
Que um pastor
Possa sobre ele apascentar o gado.

Mas os versos, depois,
Frutos do sonho e dessa mesma vida,
É quase à queima-roupa que os atiro
Contra a serenidade de quem passa.
Então, já não sou eu que testemunho
A graça
Da poesia:
É ela, prisioneira,
Que, vendo a porta da prisão aberta,
Como chispa que salta da fogueira,
Numa agressiva fúria se liberta.
(Miguel Torga)

Santa Rita é notícia - FETIN

Vai até sábado a 32a. Fetin. Veja que trabalhos interessantes.

http://globotv.globo.com/rede-globo/bom-dia-minas/v/invencoes-sao-apresentadas-em-feira-na-cidade-de-santa-rita-do-sapucai/2911889/

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Miguel Torga

Confidencial
Não me perguntes, porque nada sei
Da vida,
Nem do amor,
Nem de Deus,
Nem da morte.
Vivo,
Amo,
Acredito sem crer,
E morro, antecipadamente
Ressuscitando.
O resto são palavras
Que decorei
De tanto as ouvir.
E a palavra
É o orgulho do silêncio envergonhado.
Num tempo de ponteiros, agendado,
Sem nada perguntar,
Vê, sem tempo, o que vês
Acontecer.
E na minha mudez
Aprende a adivinhar
O que de mim não possas entender.
(Miguel Torga) 

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Na vitrola aqui de casa - 20 anos blues

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Santa Rita é notícia - ProjETE na TV Libertas

Feira tecnológica reúne 200 projetos desenvolvidos por estudantes de Santa Rita do Sapucaí

Cerca de 800 estudantes participaram da Feira de Projetos da Escola Técnica e Eletrônica de Santa Rita do Sapucaí. O evento que acontece desde 1981 no Vale na Eletrônica é uma oportunidade para incentivar o empreendedorismo e a inovação.

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Na vitrola aqui de casa - As rosas não falam

Persona - Cartola

Angenor de Oliveira (Cartola) – Rio de Janeiro, 11 de Outubro de 1908 – Rio de Janeiro, 30 de Novembro de 1980 

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Santa Rita é notícia - Projetos Futuristas

Projetos Futuristas

Conheça invenções inusitadas criadas por estudantes de Santa Rita do Sapucaí, cidade polo em tecnologia; novidades incluem copo que controla quantidade de bebida ingerida e cadeira que corrige postura

Veja aqui a galeria com algumas das 200 invenções criadas pela escola técnica de Santa Rita do Sapucaí que poderão se transformar em projetos promissores do "Vale da Eletrônica" mineiro.

Imagine que uma pessoa seja acometida pelo Mal de Alzheimer. Seu primeiro desafio seria lembrar que precisa tomar uma medicação. Em seguida, teria que saber o horário, a dose e qual medicamento tomar. Uma missão um tanto difícil para quem sofre com a perda de memória, não?
Criar uma invenção que resolva o problema desses pacientes e auxilie pessoas com outras enfermidades a tomarem seus remédios corretamente é a missão de um dos grupos formados por alunos que deverão se apresentar na ProjETE 2013, a 33ª edição da Feira de Projetos Futuristas, que ocorre de 3 a 5 de outubro, durante a Semana da Eletrônica da Escola Técnica de Eletrônica Francisco Moreira da Costa (ETE FMC).

Referência em educação por abrigar a primeira escola de eletrônica de nível médio da América Latina e a sétima no mundo, a ETE FMC atrai estudantes de todo o país. Por isso, a região de Santa Rita do Sapucaí, no interior de Minas Gerais, ficou conhecida como o “Vale da Eletrônica”, em referência ao "Vale do Silício" na Califórnia (EUA), de onde muitos produtos e sistemas tecnológicos inovadores são lançados para o mercado nacional e internacional.
O evento reúne cerca de 200 invenções e projetos das áreas de automação, eletrônica, biomédica e telecomunicações voltados para aplicação em saúde, informática, inclusão, resgate, aeronáutica, trânsito, sustentabilidade, prevenção de acidentes e esportes. Com foco principal em inovação e criatividade, as invenções foram desenvolvidas por alunos do Ensino Médio e Técnico, entre 15 e 17 anos, e do curso Técnico Noturno. 
Vale destacar ainda que a ETE FMC possui muitos alunos considerados nativos digitais, da chamada “Geração Z”: jovens nascidos a partir do final da década de 90, que cresceram em contato direto com a internet, a velocidade da informação, as novas tecnologias e o universo digital no geral. “Pelo fato desses jovens estarem habituados a essas tecnologias e começarem a criar invenções, antes mesmo de se tornarem adultos, eles passam a ser o nosso foco, já que somos uma escola de nível técnico, apropriada para essa faixa etária. Nosso objetivo é possibilitar que um adolescente transforme, também, seus passatempos em uma carreira bem-sucedida”, explica o professor Alexandre Loures Barbosa, diretor geral da escola.
(Fonte: Guilherme Ávila – O Tempo em 05/10/2013)

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Persona - Mário de Andrade

Mário Raul de Morais Andrade (São Paulo, 9 de Outubro de 1893 - São Paulo, 25 de Fevereiro de 1945)

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Na vitrola aqui de casa - Everything must change

domingo, 6 de outubro de 2013

Gostei... - O quintal onde ele jaz

O quintal onde ele jaz
Aquele menino tinha tesouros que valiam mais que ouro. 
Mais que prata.
E do que queijo e requeijão.
Ele tinha um embornal com bolinhas de gude, um pião de madeira e um álbum de figurinhas do Grande Circo Mexicano.
Tinha cadernos da escola, um livro de tabuada e uma caixa de lápis de cor.
Ele tinha um cãozinho que fazia companhia e lhe lambia as mãos.
E tinha uma andorinha fazendo ninho na cumeeira da varanda, um canarinho cantando ao longe e um um girassol que sorria.
Ele tinha um coreto de igreja e uma igreja, com torre e sino.
Tinha um pátio embandeirado e uma fogueira de São João.
Tinha dez padre-nossos e quinze ave-marias.
Tinha um catecismo.
Um terço e um sermão do padre João.
Levava um santinho no bolso da camisa e um anjo da guarda, no coração.


Tinha uma solidão domingueira e uma febre de gripe.
Tinha um rosário de lombrigas e um medo de morrer.
Tinha cachumba, catapora e uma tatuagem no braço, como prova da vacinação.
Tinha um redemunho que levantava a poeira da rua e onde vivia o cramunhão.
Tinha também um oratório, a morada de Deus. 
E tinha Deus.


Aquele menino tinha um terreiro, que era um latifúndio do tamanho do mundo.
E um varal pendurando as roupas que à noite se transformavam em fantasmas e lhe afugentavam o sono, trazendo as pisadeiras.
O menino tinha um vento com voz de Caruso que varria seus telhados.
E uma chuva nervosa fazendo algazarra no milharal.
Ele tinha uma janela pro rio.
Tinha um rio.
Um relâmpago e um trovão.
Tinha um amigo imaginário e um outro, filho da vizinha.


Tinha calções sujos de terra e um exército de formigas.
Um rebanho de boizinhos de melão de São Caetano e um canavial de capim.
Tinha vulcões de formigueiro, pequenos vesúvios que jamais entraram em erupção.
E ossos de galinha enterrados na terra, material de arqueologia vã.
Aquele menino tinha dinossauros fantasiados de lagartixas e calangos que sabiam dizer sim.
E outras criaturas pré-históricas, como o louva-a-Deus que molhava a bunda na água, besouros encouraçados e verdes esperanças.


Aquele menino tinha uma orquestra de cigarras à hora da Ave-Maria.
E tinha Maria, uma irmã.


No quintal daquela casa ele escreveu seus primeiros evangelhos, pensou nano-pecados, cometeu insignificantes heresias.
Foi lá, no  número 149 da Rua Topázio, que ele enterrou a infância, alguns sonhos de algibeira e todas as certezas.
Ele tinha um quintal e o quintal é o lugar onde todo menino jaz
O quintal da casa, meus amigos, é o cemitério da inocência.


Fonte: Texto do jornalista e escritor mineiro Roberto Lima que se define assim: Nasci em Pedra Corrida, Minas Gerais. Nasci em casa, sob a luz de uma lamparina. Meu pai, soldado da polícia militar mineira... minha mãe, dona de casa... Sou o terceiro a nascer de seu ventre... e o do meio, entre os que sobreviveram. Gosto de futebol e de pão com linguiça. Minas Gerais está no meu começo e guardará o meu fim (à sombra de uma mangueira em flor)... Sou um cidadão comum... Pago impostos... Sofro de bronquite alérgica... Cozinho para não enlouquecer... Escrevo crônicas para merecer meu pão... Sou raso em tudo o que faço. Profundo em tudo o que sinto. Não sei o que seria de mim se fosse o contrário disto... Acredito na força do amor e da amizade... Diletante da palavra, sou cria das ruas e de uma solidão povoada de pessoas... Choro em filmes que me emocionam e em livros que me tocam... Posso ser divertido... Posso ser o fim do mundo... Meus olhos falam quase tudo o que minha boca cala. A cor que me encanta é a azul. Sou editor do Jornal Brazilian Voice, em Newark-NJ.
Você pode ler mais crônicas sublimes do escritor no blog Primeira Pessoa.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...