sexta-feira, 30 de março de 2012

A cena que acena - As Pontes de Madison

As Pontes de Madison

O cinema é capaz de nos proporcionar momentos memoráveis. Na fantástica mistura de cores, música, movimento e diálogos, algumas cenas marcam as nossas vidas.
A gente não costuma contar, mas assistimos a muitos filmes durante nossa vida. Detestamos alguns, amamos uns poucos, nem nos lembramos de outros. Tem sempre aqueles que já vimos e veremos várias vezes. “Sob o céu de Toscana” parece que me persegue. Vira e mexe, quando estou sem sono e procurando alguma coisa para ver na TV, me deparo com este filme já começado. Paro para ver só aquela cena e acabo indo até o final. Hoje vai passar novamente, às 22 horas, em não sei qual canal. Certamente o acharei ou ele me achará.
Há também as cenas que sempre acenam para nós, as inesquecíveis. Marcaram-nos pela beleza, sensibilidade, às vezes pela música, outras nem sabemos o porquê, mas não saem de nossa memória. Ficam lá, guardadinhas, prontas para aflorar a qualquer hora. E a gente sabe que vai ser como se estivéssemos novamente no cinema, diante da telona, vendo tudo pela primeira vez.
Nesta cena do filme “AS Pontes de Madison”, suspirei junto com a Meryl Streep e torci muito, romântica que sou, para que ela girasse a maçaneta e corresse para os braços do Clint. Que pena que não foi assim! Que pena que as coisas não são simples assim.

quinta-feira, 29 de março de 2012

Bão dimais - Ovo de Páscoa recheado na travessa

Ovo de Páscoa Recheado na Travessa

Ingredientes: 3 latas de leite condensado * 2 colheres (sopa) de maisena * 2 latas de leite (use a lata de leite condensado para medir) * 6 gemas * 1/2 colher (sopa) de essência de baunilha * 400 gramas de creme de leite * 2 xícaras (chá) de chocolate meio amargo picado * 1/2 xícara (chá) de castanha de caju picada * 2 xícaras (chá) de chocolate ao leite picado
Modo de fazer: Em uma panela, coloque o leite condensado, a maisena dissolvida no leite, as gemas e leve ao fogo médio, mexendo até engrossar. Desligue e acrescente a essência de baunilha. Espere esfriar e misture o creme de leite. Separe 1/3 da mistura e reserve. No creme restante, misture o chocolate amargo derretido. Em um refratário médio, coloque metade do creme de chocolate no fundo. Leve ao congelador por 15 minutos, retire e cubra com o creme branco. Distribua a castanha de caju, volte mais 10 minutos ao congelador e cubra com o creme de chocolate restante. Derreta o chocolate ao leite, em banho-maria, e espalhe sobre o creme. Leve à geladeira por 2 horas antes de servir.

quarta-feira, 28 de março de 2012

Persona - Millôr Fernandes

Millôr Fernandes (Rio de Janeiro, 16 de Agosto de 1923 - Rio de Janeiro, 27 de Março de 2012)

Algumas das frases fantásticas do Millôr:

-“O cadáver é que é o produto final. Nós somos apenas a matéria prima.”
-“O homem é o único animal que ri. E é rindo que ele mostra o animal que é.”
-“Como são admiráveis as pessoas que não conhecemos muito bem.”
-“O otimista não sabe o que o espera.”
-“O dedo do destino não deixa impressão digital.”
-“Sabemos que VOCÊ, aí de cima, não tem mais como evitar o nascimento e a morte. Mas não pode, pelo menos, melhorar um pouco o intervalo?”
-"A infância não, a infância dura pouco. A juventude não, a juventude é passageira. A velhice sim. Quando um cara fica velho é pro resto da vida. E cada dia fica mais velho."

Fragmentos - "Arroz de Palma"

“Família é prato difícil de preparar. São muitos ingredientes. Reunir todos é um problema - principalmente no Natal e no Ano-Novo. Pouco importa a qualidade da panela, fazer uma família exige coragem, devoção e paciência. Não é para qualquer um. Os truques, os segredos, o imprevisível. Ás vezes, dá até vontade de desistir. Preferimos o desconforto do estômago vazio. Vêm a preguiça, a conhecida falta de imaginação sobre o que se vai comer e aquele fastio. Mas a vida - azeitona verde no palito - sempre arruma um jeito de nos entusiasmar e abrir o apetite. O tempo põe a mesa, determina o número de cadeiras e os lugares. Súbito, feito milagre, a família está servida. Fulana sai a mais inteligente de todas. Beltrano veio no ponto, é o mais brincalhão e comunicativo, unanimidade. Sicrano - quem diria? - solou, endureceu, murchou antes do tempo. Este, o mais gordo e generoso, farto, abundante. Aquele o que surpreendeu e foi morar longe. Ela, a mais apaixonada. A outra, a mais consistente.
E você? É, você mesmo, que me lê os pensamentos e veio aqui me fazer companhia. Como saiu no álbum de retratos? O mais prático e objetivo? A mais sentimental? A mais prestativa? O que nunca quis nada com o trabalho? Seja quem for, não fique aí reclamando do gênero ou do grau comparativo. Reúna essas tantas afinidades e antipatias que fazem parte da sua vida. Não há pressa. Eu espero. Já estão aí? Todas? Ótimo. Agora, ponha o avental, pegue a tábua, a faca mais afiada e tome alguns cuidados. Logo, logo, você também estará cheirando a alho e a cebola. Não se envergonhe se chorar. Família é prato que emociona. E a gente chora mesmo. De alegria, de raiva ou de tristeza.
Primeiro cuidado: temperos exóticos alteram o sabor do parentesco. Mas, se misturadas com delicadeza, essas especiarias - que quase sempre vêm da África e do oriente e nos parecem estranhas ao paladar - tornam a família muito mais colorida, interessante e saborosa. Atenção também com os pesos e as medidas. Uma pitada a mais disso ou daquilo e, pronto, é um verdadeiro desastre. Família é prato extremamente sensível. Tudo tem de ser muito bem pesado, muito bem medido. Outra coisa: é preciso ter boa mão, ser profissional. Principalmente na hora que se decide meter a colher. Saber meter a colher é verdadeira arte. Uma grande amiga minha desandou a receita de toda a família, só porque meteu a colher na hora errada.
O pior é que ainda tem gente que acredita na receita da família perfeita. Bobagem. Tudo ilusão. Não existe "Família à Oswaldo Aranha", "Família à Rossini", "Família à Belle Meunière" ou "Família ao Molho Pardo" - em que o sangue é fundamental para o preparo da iguaria. Família é afinidade, é "À Moda da Casa". E cada casa gosta de preparar a família a seu jeito.
Há famílias doces. Outras, meio amargas. Outras, apimentadíssimas. Há também as que não têm gosto de nada - seriam assim um tipo de "Família Diet", que você suporta só para manter a linha. Seja como for, família é prato que deve ser servido sempre quente, quentíssimo. Uma família fria é insuportável, impossível de se engolir.
Há famílias, por exemplo, que levam muito tempo para serem preparadas. Fica aquela receita cheia de recomendações de se fazer assim ou assado - uma chatice! Outras, ao contrário, se fazem de repente, de uma hora para outra, por atração física incontrolável - quase sempre de noite. Você acorda de manhã, feliz da vida, e quando vai ver já está com a família feita. Por isso é bom saber a hora certa de abaixar o fogo. Já vi famílias inteiras abortadas por causa de fogo alto.
Enfim, receita de família não se copia, se inventa. A gente vai aprendendo aos poucos, improvisando e transmitindo o que sabe no dia-a-dia. A gente cata um registro ali, de alguém que sabe e conta, e outro aqui, que ficou no pedaço de papel. Muita coisa se perde na lembrança. Principalmente, na cabeça de um velho já meio caduco como eu. O que este veterano cozinheiro pode dizer é que, por mais sem graça, por pior que seja o paladar, família é prato que você tem que experimentar e comer. Se puder saborear, saboreie. Não ligue para etiquetas. Passe o pão naquele molhinho que ficou na porcelana, na louça, no alumínio ou no barro. Aproveite ao máximo. Família é prato que, quando se acaba, nunca mais se repete.”
(Francisco Azevedo , em "Arroz de Palma ")

segunda-feira, 26 de março de 2012

Dica de Leitura - O deserto dos tártaros

Leitura instigante. Você não para enquanto não chega ao final. Narra a história de Giovanni Drogo, um soldado à espera de uma batalha que nunca acontece. Verdadeira alegoria da condição humana numa história comovente e misteriosa. É considerada a obra-prima do escritor italiano Dino Buzzati, que em suas obras usa e abusa do jogo dos símbolos, da viagem para o desconhecido como busca do conhecimento. Imperdível!

quarta-feira, 21 de março de 2012

Você sabia? - Dia Mundial da Poesia

Dia Mundial da Poesia
Outro dia, 14 de Março, foi o Dia Nacional da Poesia, hoje é o Dia Mundial (Internacional) da Poesia.
O Dia Mundial da Poesia celebra-se a 21 de Março, foi criado na XXX Conferência Geral da UNESCO em 16 de Novembro de 1999. O propósito deste dia é promover a leitura, escrita, publicação e ensino da poesia através do mundo.
Sabe quem me contou? Clique na imagem abaixo e veja.

A arte do Origami - Cesta de Páscoa

Cesta de Páscoa

Que tal fazer uma cestinha de Origami e colocar ovinhos de Páscoa para presentear pessoas queridas. Além de ser uma lembrancinha personalizada, fica muito mais barato que comprar ovos de chocolate. Bastam duas folhas de papel colorido e um pouco de paciência. O vídeo está em inglês, mas seguindo as imagens dá para fazer tranquilamente.
Ainda há tempo! Vamos lá?

Aviso aos navegantes - A voz da poesia

Hoje descobri um site bem legal para compartilhar com vocês.
É “A voz da poesia”. Parece ainda estar em construção, pois não conseguir visualizar alguns autores, mas vale a pena. Você encontrará Adélia Prado e Affonso Romano de Sant´Anna recitando seus próprios poemas. Sempre achei que os poetas é quem deveriam dizer seus poemas. Só eles sabem o ritmo e entonação que queriam colocar no papel, porque antes disto os puseram na alma. Amei, quero passar horas só ouvindo essas vozes, em silêncio, no escuro, só para poder penetrar na poesia.

Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Affonso Romano de Sant´Anna

Rugas

Estou amando tuas rugas, mulher.
Algumas vi surgir, outras aprofundei.
Olho tuas rugas, compartilho-as, narciso exposto no teu rosto.
Ponho os óculos para melhor ver na tua pele
as minhas - tuas - marcas.
Sei que também me lês, quando nas manhãs, percebes em minha face
o estranho texto que restou do sonho.
O que gastou, somou.
Essas rugas são sulcos onde aramos a messe do possível amor.
(Affonso Romano de Sant´Anna)

terça-feira, 20 de março de 2012

Santa Rita é notícia - Santa Rita do Sapucaí: o Vale mineiro da Eletrônica

Santa Rita do Sapucaí: o Vale mineiro da Eletrônica

Conheça a pequena cidade do interior de Minas Gerais que se tornou um pólo tecnológico reconhecido mundialmente

Poucas pessoas imaginam que uma típica cidade do interior de Minas Gerais, com 40 mil habitantes, é um verdadeiro pólo tecnológico brasileiro. Santa Rita do Sapucaí não possui somente belas paisagens e plantações de café, mas também cerca de 150 micros e pequenas empresas de TI e um faturamento anual na ordem de R$ 1,5 bilhão. Grande parte das pessoas no município atua nas áreas de eletrônica, telecomunicações e informática e a renda per capita atual da cidade é uma das mais altas do interior do país, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).
E tudo isso só foi possível porque, em 1959, quando foi criada a primeira Escola Técnica em Eletrônica (ETE) da América Latina, o espaço que antes era ocupado pela agropecuária começou a dar lugar a um parque tecnológico, hoje conhecido como "Vale do Eletrônico". Poucos anos depois, nascia também outras duas instituições que contribuem com o crescimento da região: o Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel) e a Faculdade de Administração e Informática (FAI). Hoje, as três escolas, junto da prefeitura e companhias locais são responsáveis por todo desenvolvimento de Santa Rita do Sapucaí.
Para se ter ideia, o Inatel formou cerca de 6 mil engenheiros no último ano, sendo que 98% saíram da faculdade com o emprego garantido. Isso porque a faculdade possui programas de incentivo que procuram despertar no aluno a postura de empreendedor, que pode ser aplicado à sua própria empresa, ou em outras pequenas companhias em desenvolvimento. Em Santa Rita do Sapucaí, 90% das empresas possuem um fundador formado pela Inatel. E o motivo é simples: a instituição possui uma incubadora que abriga, durante três anos, dez startups que passam por um processo rígido de seleção. Além disso, a própria prefeitura, através da Secretaria Municipal de Ciência, Tecnologia, Industria e Comércio, também realiza concursos de incubadoras periodicamente.
A KeyMax, co-fundada por Tiago Soares, foi uma das microempresas a ganhar espaço em uma dessas incubadoras e hoje está prestes a se graduar. A startup que desenvolve softwares e hardwares para outras companhias está há dois anos dentro do Inatel, recebendo auxilio na gestão dos negócios e instalada dentro da universidade. "Temos todo o espaço físico com salas de reunião, treinamento, internet e telefone, além da assessoria dos gestores da incubadora. Quando surgem dúvidas a mais, eles contratam até uma empresa terceirizada para nos ajudar, como o SEBRAE, por exemplo", explica.
Hoje, Thiago possui sete estagiários, além do sócio. Em dois anos de empresa, ele já conseguiu uma carteira de clientes grande o suficiente para que, no segundo semestre de 2012, a startup ande com as próprias pernas. "Santa Rita é reconhecia mundialmente como um polo tecnológico e não foi difícil encontrar clientes, até porque fazemos um serviço que não é voltado apenas para companhias de TI", comenta. O estudante ainda ressalta que, por se tratar de uma cidade universitária, a mão de obra é qualificada e há muito incentivo do governo. Fora isso, o networking e a colaboração entre empresas facilita a inclusão no mercado. "Não pretendemos sair daqui, pensamos apenas, futuramente, em abrir um escritório comercial em outro centro importante do Brasil", completa.
A cidade também possui um centro tecnológico, reconhecido mundialmente, que trabalha em parceria com empresas na criação de soluções e inovações tecnológicas. Segundo Marcelo de Oliveira Marques, diretor da Inatel, dentro do centro existem cerca de 150 pesquisadores, analistas e engenheiros que desenvolvem soluções sob demanda para empresas solidificadas no mercado como Telefônica, LG e Ericsson. Santa Rita ainda realiza feiras tecnológicas que incrementam o faturamento anual da cidade, atraindo financiamentos de projetos e gerando novos negócios. A Feira de Tecnologia da FAI é uma das mais importantes e é realizada anualmente.
(Fonte: Stephanie Kohn - http://olhardigital.uol.com.br em 19/03/2012)

segunda-feira, 19 de março de 2012

Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Lya Luft

Canção em rota de voo

Antes os dias eram apenas dias:
perdas e ganhos, tarefas cumpridas,
solidão e algumas alegrias.
Agora, objetos familiares
ganham contornos de sonho,
palavras são aves do paraíso,
o cotidiano virou do avesso
e se tornou milagre.
Quero um novo amor, tão leve
como se dançasse numa praia uma menina.
(Lya Luft)

Pátria Minas - Trem da história

quinta-feira, 15 de março de 2012

Gostei... - A pança do Chico

A pança do Chico
Levei a mulher para ver o Chico cantando fora daquele CD que ela tanto escuta. Sim, levei, não assumo que fui também porque dele nem gosto de criar apego. Gosto é da Geni, da Rita, da Teresinha, da Beatriz, da Iolanda...
Quando o homem surgiu no palco, puxei um ensaio de ciúme do peito enquanto minha deusa entrava em uma espécie de transe de adoração pelo sujeito.
Tive de me conter para encarar aquele "olhos nos olhos" que ela tanto esperava como apenas uma coisa de fã e só isso mesmo.
Mas a minha vez de êxtase também chegaria -e logo nos primeiros momentos do show. Era verdade: o galã, que encanta ao cantar as agruras e doçuras do amor, exibia uma pança igualzinha à dos mortais maridos, namorados, amantes, casos, amásios, ficantes.
Se Chico Buarque, que é viciado em pelada aos finais de semana, que pode flanar pelas ruas de Paris ou caminhar pela orla carioca em uma tarde qualquer de segunda-feira, tem uma bela de uma barriga (nem venha chamar aquilo de protuberância do charme), um cadeirante como eu ter uma pança é praticamente regra do jogo.
Afinal, mal posso tocar o meu veículo por alguns metros de rua para "malhar" que lá vem alguém dizer: "Deixa que eu te empurro! Não se afobe, não, que nada é para já".
E onde estão as academias com pleno acesso em seus equipamentos e estrutura para eu fazer uns abdominais, para desabafar com as calorias e com o colesterol alto que, "apesar de você, amanhã há de ser outro dia"? Deve haver uma ou duas... no planeta.
Calçadão perfeitinho para "rodar" tranquilamente e perder uns quilos? Só pegando na mão de "nossa senhora da bicicletinha" para me dar equilíbrio e não me esborrachar no chão com tanta buraqueira. Resultado: pança.
Juntem-se a mim os sedentários por opção, os entrevados sem opção, os que ganharam barriga de herança genética, os tiozões rechonchudos convictos, os não adesistas à lipoaspiração.
Pronto: formou-se um exército napoleônico de barrigudos, não necessariamente de íris cor do topázio, que ganham um novo fôlego, com Chico, para enfrentar a ditadura dos abdomes capazes de servir de suporte para bater roupa.
Logo, enquanto a mulher vibrava com seu ídolo que cantara uma de suas favoritas, "Todo Sentimento", eu me deliciava pensando que o querubim safado de "Até o Fim" era mesmo imperdoável e tinha virado sua flecha era para o próprio compositor que, até então, para mim, era "um gato" cujo mundo era detefon, almofada e trato.
Depois de quase duas horas de adoração, de gritos, de suspiros, de palmas e de contemplação a Chico (e à sua pança), a banda sai de cena levando consigo o homem da "construção" mais polêmica da música brasileira. Mas a plateia, por sua vez, se mantinha mais agitada que gemada de um ovo só.
"Será que ele volta, amor? O Chico é tão lindo", disse a mulher. Eu, completamente satisfeito, inclusive com a autoestima nas alturas, pensei: "Não é por estar na sua presença, meu prezado rapaz, mas você vai mal. Mas vai mal demais. São seis horas o samba tá quente. Deixe a morena com a gente. Deixe a menina sambar em paz".
(Fonte: Jairo Marques – Folha de São Paulo em 13/03/2012)

Santa Rita é notícia - Tecnologia made in Minas em feira da USP

Tecnologia made in Minas em feira da USP

Luva criada por alunos da Escola Técnica de Santa Rita do Sapucaí interpreta sinais de Libra e traduz em display eletrônico

E se o deficiente visual pudesse andar pelas ruas sem precisar do auxílio de outra pessoa? E se fosse possível controlar nossa casa de qualquer lugar do mundo, por meio de uma simulação 3D operada pela internet? E se plantas fossem usadas para anular os efeitos de uma substância tóxica liberada na natureza? Perguntas como essas instigaram estudantes mineiros a enfrentar o desafio de transformar possibilidades em realidade. As invenções e descobertas desses jovens estão sendo expostas, até esta quinta-feira, na Feira Brasileira de Ciência e Tecnologia (Febrace), realizada na Universidade de São Paulo (USP).
A 10ª edição da maior mostra científica do país conta com 325 projetos desenvolvidos por 743 estudantes dos níveis de ensino fundamental (8º e 9º anos), médio e técnico. Cerca de 15 mil pessoas devem visitar os estandes montados nas dependências da Escola Politécnica da USP. De Minas Gerais foram selecionados 19 trabalhos de sete instituições públicas e duas particulares. A campeã em número de projetos (cinco) é a Escola Técnica de Eletrônica Francisco Moreira da Costa, localizada em Santa Rita do Sapucaí, no Sul de Minas, a 420 km de Belo Horizonte.
Criado por alunos do curso de eletrônica, a Visão Interativa para Deficientes (VID) ajuda o usuário a se locomover sem qualquer ajuda alheia. Sensores são postos em várias partes do corpo e ligados a um motor que vibra à aproximação de qualquer obstáculo com intensidade diferente dependendo da distância: quanto mais forte, mais perto ele está. "Esse tipo de projeto, além de ajudar o próximo, acelera o amadurecimento dos alunos, que precisam ser profissionais e aprender a trabalhar em equipe, cumprir horários e tarefas", observa o professor Fábio Carli Teixeira, orientador de quatro trabalhos apresentados pela escola de Santa Rita do Sapucaí.
Mesmo quem não pode visitar a Febrace tem como conhecer a invenção dos alunos do curso de informática, do Instituto Federal do Triângulo Mineiro, pela internet. Eles criaram o Cell Casa, um sistema de controle remoto de residências. Uma pequena câmera filma a maquete de uma casa e manda as imagens em tempo real para o site . O internauta pode dar comandos para ligar ou desligar as lâmpadas, ao atualizar a página virtual, percebe que suas ordens foram obedecidas. No site, porém, não é possível experimentar a simulação em três dimensões oferecida pela tecnologia. "Nosso sistema dá mais segurança, já que o usuário pode simular a presença de alguém em sua casa sem estar lá", explica o professor Ailton.
Uma comissão julgadora deve apontar os melhores projetos nas sete categorias. Os noves melhores vão representar o Brasil na Feira Internacional de Ciências e Engenharia da Intel , de 13 a 18 de maio em Pittsburgh, nos Estados Unidos. Os mineiros esperam um bom desempenho, mas ainda vigora a velha máxima dos bons competidores. "O que vale é participar e fazer o melhor que a gente pode. Há muitos projetos bons e muita troca de ideia", conta Isabella Sampaio, de 17 anos, estudante do 3º ano da Escola Estadual Afonso Pena, de São Tiago, a 187 quilômetros de BH.
(Fonte: Thiago Padilha – Estado de Minas em 15/03/2012)

Você sabia? - São Longuinho

São Longuinho
No Brasil, há uma crença popular de que São Longuinho auxilia a encontrar objetos perdidos. É só repetir:
São Longuinho, São Longuinho, se eu achar (nome do objeto perdido) dou três pulinhos.
Quando a pessoa encontra o objeto precisa cumprir a promessa em devoção ao santo.
Pelo jeito São Longuinho é o funcionário número um do Departamento Celestial de Achados e Perdidos. Só não se esqueça, quando o objeto reaparecer num passe de mágica, de agradecer dando os três pulinhos - de preferência acompanhados de três gritinhos (e bem sozinho, para evitar gracejos e maledicências).
São Longuinho, que tem o dia celebrado em 15 de março, é especialmente popular na Espanha e no Brasil - mas aqui só existe uma igreja com sua imagem, em Guararema, interior de São Paulo.
"Longuinho vem de Longinus, nome comum aos mártires", afirma o teólogo Décio Passos, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Longinus, por sua vez, vem do grego lonkhe, que quer dizer lança. Segundo os historiadores da religião, Longinus chamava-se Cássio e era um dos centuriões romanos escalados para vigiar Cristo na cruz. "Na Sexta-Feira Santa, Cássio espetou sua lança no coração de Jesus e acabou levando um jato de sangue em seus olhos", diz o padre Aparecido Pereira, estudioso de hagiografias (biografias de santos) e editor do jornal O São Paulo, da Cúria Metropolitana. Cássio sofria de um problema de vista - ou "cegueira espiritual", de acordo com alguns relatos - e, naquele momento, foi curado instantaneamente.
Converteu-se ao Cristianismo e refugiou-se na Cesareia, onde virou monge. Descoberto, foi decapitado, como tantos outros mártires cristãos.
A história de São Longuinho é citada no Novo Testamento por Mateus (27:54), Marcos (15:39) e Lucas (23:47).
(Fonte: http://mundoestranho.abril.com.br)

Blog: Conheço gente que, se der três pulinhos cada vez que “perde-acha” suas coisas, vai transformar a vida num eterno Carnaval.

quarta-feira, 14 de março de 2012

Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Elisa Lucinda


A poesia é síntese filosófica, fonte de sabedoria,

e bíblia dos que, como eu,
crêem na eternidade do verbo,
na ressurreição da tarde e na vida bela.
Amém!...


Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Adélia Prado

Páscoa

Velhice
é um modo de sentir frio que me assalta
e uma certa acidez.
O modo de um cachorro enrodilhar-se
quando a casa se apaga e as pessoas se deitam.
Divido o dia em três partes:
a primeira pra olhar retratos,
a segunda pra olhar espelhos,
a última e maior delas, pra chorar.
Eu, que fui loura e lírica,
não estou pictural.
Peço a Deus,
em socorro da minha fraqueza,
abrevie esses dias e me conceda um rosto
de velha mãe cansada, de avó boa,
não me importo. Aspiro mesmo
com impaciência e dor.
Porque sempre há quem diga
no meio da minha alegria:
"põe o agasalho"
"tens coragem?"
"por que não vais de óculos?"
Mesmo rosa sequíssima e seu perfume de pó,
quero o que desse modo é doce,
o que de mim diga: assim é.
Pra eu parar de temer e posar pra um retrato,
ganhar uma poesia em pergaminho.
(Adélia Prado)

Santa Rita é notícia - Equipe de alunos da rede estadual participará de torneio internacional de robótica

Equipe de alunos da rede estadual participará de torneio internacional de robótica

É a primeira vez que uma equipe de Minas participa do First Lego League Aberto da Flórida

Ansiedade e apreensão são palavras que definem o que 10 estudantes da Escola Estadual Dr. Luiz Pinto de Almeida, em Santa Rita do Sapucaí, estão sentido. Eles integram a equipe da X-Factor, uma das representantes do Brasil na competição que reunirá apaixonados por tecnologia e robótica de todo o mundo. Chamada de First Lego League (FLL) Aberto da Flórida, a disputa será realizada entre 3 e 6 de maio, na Flórida, nos Estados Unidos.
A vaga foi conquistada devido ao 4º lugar alcançado pela X-Factor durante a grande final brasileira do Torneio FLL, realizado em São Paulo, nos dias 3 e 4 de março. Em princípio, apenas os três primeiros colocados seriam classificados para a etapa internacional, mas a organização abriu uma nova vaga e a equipe de Santa Rita do Sapucaí garantiu um lugar. Segundo a integrante da equipe e aluna do 8º ano do ensino fundamental Jéssica Cristina Silva Lopes, a notícia pegou todos os estudantes de surpresa. “A notícia veio dois dias depois que o torneio nacional tinha terminado. Já estávamos até pensando qual seria o próximo projeto que iríamos criar para participar da etapa estadual do torneio de robótica. Ficamos todos muito felizes e surpresos”, revelou.
Depois de receber a notícia, a equipe iniciou um intenso trabalho para aperfeiçoar a pesquisa e o robô. “A competição será bem parecida com a etapa nacional. Vamos utilizar o mesmo robô e a mesma pesquisa, para isso estamos aperfeiçoando-os. Além disso, os alunos se dividiram e três vezes por semana eles treinam o robô e as missões com as mesas, e nos outros dois dias a pesquisa e o trabalho em equipe”, conta a mentora da X-Factor, Luciana de Carvalho Machado Pires.
Além das habilidades intelectuais e práticas da competição, a equipe também prepara o lado emocional dos integrantes. A preparação conta até com palestras com psicólogos, que irão enfatizar a importância do trabalho em equipe e de se manter a calma na hora da competição. “A ideia é tentar nos preparar o melhor possível para sermos uma equipe competitiva e tentar uma boa colocação”, acrescenta Luciana.
É a primeira vez que uma equipe do Estado participará da etapa internacional do torneio de robótica e isso aumenta ainda mais a expectativa da equipe. “Às vezes, tenho a sensação de que a ficha ainda não caiu. Participar de uma competição internacional será uma ótima oportunidade de trocarmos experiências. Todos os dias nós pesquisamos na internet as equipes que vão participar da competição e como é lá na Flórida”, confessa a integrante da equipe e aluna da 8º ano do ensino fundamental Laiza Costa Vicentini.

First Lego League (FLL)

Durante a competição, a X-Factor enfrentará três grandes desafios: projeto de pesquisa, projeto do robô e o desafio robótico. O desafio consiste em 15 tarefas que devem ser executadas em um prazo de dois minutos e meio, por robôs construídos pelas próprias equipes. Mais de 60 equipes de todo o mundo devem participar do Aberto da Flórida.
A equipe será analisada por juízes, que irão considerar como critérios de avaliação: a performance do grupo ao trabalhar em equipe, a pesquisa de campo realizada e solução apresentada, o projeto desenvolvido para o robô e o cumprimento das missões estabelecidas no desafio do robô.

Trabalho de pesquisa

Além dos desafios robóticos, a equipe apresentará seu projeto de pesquisa. Os estudantes desenvolveram uma etiqueta adesiva que funciona como termômetro irreversível. A etiqueta deve ser colada na embalagem do frango e quando o alimento é descongelado e alcança à temperatura de 8°C a etiqueta mancha. A pesquisa foi pensada para o bem-estar do consumidor, já que ao ser descongelado e congelado novamente o frango fica impróprio para o consumo.
A equipe ainda está pensando em como será a apresentação da pesquisa. “Nós estamos pensando em enxugar um pouquinho a pesquisa para fazer a apresentação na Flórida. Ainda não sabemos se vamos levar um tradutor ou se vamos treinar para apresentar em Inglês”, ressalta Jéssica.

Torneio Nacional de Robótica

Entre os dias 3 e 4 de março, a equipe X-Factor participou do Torneio Nacional de Robótica. Além de conquistar a vaga para o Aberto da Flórida, os alunos também faturam um troféu na categoria Designer do Robô. Nessa categoria, os jurados reconheceram o time que desenvolveu um robô bem projetado mecanicamente, que seja durável, eficiente e altamente capaz de desempenhar as missões designadas.
(Fonte: http://www.jornalaraxa.com.br em 14/03/2011)

Você sabia? - Dia Nacional da Poesia

Dia Nacional da Poesia
Poesia é uma arte literária e, como arte, recria a realidade. O poeta Ferreira Gullar diz que o artista cria um outro mundo “mais bonito ou mais intenso ou mais significativo ou mais ordenado – por cima da realidade imediata”.
A poesia ganhou um dia específico, sendo este criado em homenagem ao poeta brasileiro Antônio Frederico de Castro Alves (1847-1871), no dia de seu nascimento, 14 de março.
Castro Alves ficou conhecido como o “poeta dos escravos” por sua luta pela abolição da escravidão. Além disso, era um grande defensor do sistema republicano de governo, onde o povo elege seu presidente através do voto direto e secreto.
Sua indignação quanto ao preconceito racial ficou registrada na poesia “Navio Negreiro”, chegando a fazer um protesto contra a situação em que viviam os negros. Sua arte era movida pelo amor e pela luta por liberdade e justiça.


Blog: Obrigada, Adélia, Affonso, Alice, Cecília, Carlos, Fernando, Manoel, Marina, Mários, Lya, Vinícius e todos os outros que enchem minha vida de poesia e fazem minha alma transbordar.

Fragmentos - "Quero minha mãe"

Tinha vantagens não saber do inconsciente, vinha tudo de fora, maus pensamentos, tentações, desejos. Contudo, ficar sabendo foi melhor, estou mais densa, tenho âncora, paro em pé por mais tempo. De vez em quando ainda fico oca, o corpo hostil e Deus bravo. Passa logo. Como um pato sabe nadar sem saber, sei sabendo que, se for preciso, na hora H nado com desenvoltura. Guardo sabedorias no almoxarifado. (Adélia Prado em “Quero minha mãe”)

terça-feira, 13 de março de 2012

Na vitrola aqui de casa - Handy man

Aviso aos navegantes - Universia

Universia

Hoje a dica de navegação é o site Universia. Visite e veja quanta matéria interessante você vai encontrar.
Universia foi lançado em 9 de julho de 2000 com uma clara vocação de prestar serviços à comunidade universitária de Ibero América.
Universia é uma rede de 1.216 universidades que representa 14 milhões de professores e estudantes universitários. Está presente em 23 países de Ibero América (Andorra, Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, El Salvador, Espanha, Guatemala, Honduras, Nicarágua, México, Panamá, Paraguai, Peru, Portugal, Porto Rico, República Dominicana, Uruguai e Venezuela).
É um projeto de referencia internacional em Responsabilidade Social Corporativa do Banco Santander.
A Universia Brasil comemorou 10 anos de existência no dia 05/03/2012 e está integrada com 270 universidades, o que representa 98% da produção científica do País.
No site você encontra notícias, cultura e curiosidades. Há downloads gratuitos de livros, visita a museus virtuais e dicas de como fazer monografias, currículos, etc.

Santa Rita é notícia - Um case brasileiro de dar inveja a qualquer ideia do SXSW

Um case brasileiro de dar inveja a qualquer ideia do SXSW

Aproveitando a vibe do SXSW e toda a repercussão nas mídias sociais sobre as ideias apresentadas por lá, resolvi falar sobre tecnologia e inovação. Aliás, sobre um dos cases mais impressionantes que conheço quando o assunto é este: a transformação de uma pequena cidade no sul de Minas Gerais em um dos locais mais inovadores do mundo.
A pequena cidade de Santa Rita do Sapucaí, no Sul de Minas Gerais, ganhou em meados dos anos 80 o apelido de Vale da Eletrônica, em referência ao Vale do Silício (polo tecnológico norte-americano onde estão localizadas empresas de tecnologia como Google, HP e Apple). Com pouco menos de 40 mil habitantes, a cidade tem cerca de 150 empresas de pequeno e médio porte que vem desenvolvendo produtos e soluções impressionantes.
Entre os lançamentos recentes do Vale da Eletrônica estão o Nomad, que possibilita a pequenas e médias empresas integrar suas centrais telefônicas a aplicativos de iPhone e Android. Ao transformar celulares em ramais, a solução traz uma economia imensa na conta telefônica. Outra ideia interessante é um programa desenvolvido pela fabricante das urnas eletrônicas usadas nas eleições brasileiras, também localizada na cidade. Ele faz com que a foto do eleitor apareça no terminal do mesário, reduzindo muito o risco de fraude.
Entre os mais criativos estão a primeira TV 3D do mundo que não precisa de óculos especiais, desenvolvida por uma micro empresa auxiliada por uma das incubadoras locais. Um aparelho que permite acessar a internet, assistir filmes em DVD ou Blu-ray, gravar programas da TV e ainda ter um uma economia de 82% de energia. E um rastreador de pessoas, que possibilita acionar socorro em caso de emergências, localizar indivíduos no meio de uma multidão, orientar a logística de transporte de políticos e celebridades, entre outras funções – ainda em fase de testes. As ideias e produtos são tantas, que eu precisaria de um livro pra descrever todas.
Não é á toa que diversas empresas do Vale da Eletrônica costumam aparecer nos principais rankings de inovação do país. Enquanto o setor privado brasileiro investe menos de 1% do seu faturamento ao ano em pesquisa e desenvolvimento, números locais mostram que as empresas do vale da Eletrônica investem, em média, entre 8% e 10% do faturamento.
Além disso, Santa Rita do Sapucaí conta com o Inatel (Instituto Nacional de Telecomunicações). A instituição privada de ensino, que oferece cursos de graduação e pós-graduação em diversas áreas da engenharia, é um dos principais centros de pesquisa em tecnologia do mundo. Foi de lá que saiu, por exemplo, o padrão brasileiro da TV digital. Outra informação importante que vi esta semana foi a de um grupo de estudantes com idade entre 9 e 15 anos, de uma escola estadual da cidade, que acabou de se classificar para o Torneio Mundial de Robótica, que será realizado em maio, nos Estados Unidos.
O projeto do Vale da Eletrônica foi criado há 25 anos pelo ex-prefeito Paulo Frederico Toledo, em parceria com empresários e instituições locais. Para atrair novas empresas para a cidade, ele conseguiu diversos incentivos fiscais e solicitou uma campanha à MPM para atrair investidores e empreendedores de outras partes do país. No entanto, a base para que tudo isso acontecesse foi estabelecida muito antes, em meados do século XX. Inspirada em uma palestra de Albert Einstein que assistiu no exterior, a benemérita Luzia Rennó Moreira, conhecida como Sinhá Moreira, fundou na cidade a primeira escola de eletrônica da América Latina e sétima do mundo: a Escola Técnica de Eletrônica Francisco Moreira da Costa.
Hoje, as instituições de ensino em tecnologia formam o capital humano. Muitos empreendem, outros vão ajudar as empresas já existentes a crescer. Elas se beneficiam da redução de IPI e ICMS. E mais de 70% terceirizam parte de sua produção para outras empresas locais, tornando-se mais competitivas e criando condições para o surgimento de novos negócios. Impressionante!
Pra conhecer mais sobre o Vale da Eletrônica, vale acessar o site Vale Network, aqui.
(Fonte: Carlos Henrique Vilela (Gerente de Planejamento da Filadélfia) - http://unplanned.com.br em 11/03/2012)

Modos e modas - Faça seu próprio "KEEP CALM"

Faça seu próprio "KEEP CALM"

Outro dia postei aqui a história do pôster “KEEP CALM AND CARRY ON”. Não é que “zenzando” na rede achei um site para você criar seu próprio pôster!
Entre aqui e crie seu “KEEP CALM”. Você pode colocar a frase de sua preferência, escolher cores, fundo, imagem e tudo mais. Depois é só salvar e mandar imprimir numa gráfica para ter um pôster com melhor qualidade.
Vamos lá, mãos à obra!!!


Gostei... - Vamos queimar os dicionários

Em 29 de Outubro de 2011, neste blog, mostrei minha indignação com o Conselho Nacional de Educação que sugeria que o livro “Caçadas de Pedrinho” não fosse mais distribuído para as escolas públicas sob a alegação de que a obra era racista.
Agora, em 27 de Fevereiro de 2012, o Ministério Público Federal entrou com ação para tirar o dicionário Houaiss de circulação por julgar que o mesmo contém expressões “preconceituosas” relativas aos ciganos configurando assim uma atitude racista. A ação pede, além da supressão dos termos, o pagamento de R$ 200 mil de indenização por dano moral coletivo.
Segundo textos da Internet, o Houaiss não tem mais “cigano” na sua versão eletrônica. Não pude verificar a veracidade da notícia, pois não sou assinante do UOL, mas parece que se for digitada a palavra “cigano” aparecerá informação “palavra não foi encontrada”.
Está tudo virando um absurdo sob a égide do “politicamente correto”.
Ainda bem que temos pessoas sensatas o bastante para escrever texto como o abaixo:

Vamos queimar os dicionários

Quando a gente pensa que já viu tudo, não viu. Faz algum tempo, dentro do horroroso politicamente correto que me parece tão incorreto, resolveram castrar, limpar, arrumar livros de Monteiro Lobato, acusando-o de preconceito racial, pois criou entre outras a deliciosa personagem da cozinheira Tia Nastácia, que, junto com Emília e outros do Sítio do Pica-Pau Amarelo, encheu de alegria minha infância. Se formos atrás disso, boa parte da literatura mundial deve ser deletada ou "arrumada". Primeiro, vamos deletar a palavra "negro" quando se refere a raça e pessoas, embora tenhamos uma banda Raça Negra, grupos de teatro Negro e incontáveis oficinas, açougues, borracharias "do Negrão", como "do Alemão" "do Portuga" ou "do Turco". Vamos deletar as palavras. Quem sabe, vamos ficar mudos, porque ao mal-humorado essencial, e de alma pequena, qualquer uma pode ser motivo de escândalo. Depende da disposição com que acordou, ou do lado de onde sopram os ventos do seu próprio preconceito.
Embora meus •antepassados tivessem vindo ao Brasil em 1825, portanto sendo eu de muitas gerações de brasileiros tão brasileiros quanto os de todas as demais origens, na escola havia também a turminha que nos achacava com refrãos como "Alemão batata come queijo com barata". Nem por isso nos odiamos, nos desprezamos. Eram coisas infantis, sem consistência. O que vemos hoje quer mudar a cara do país, ou da cultura do país, e não tem nada de inocente.
Um dos negros que mais estimei (no passado, porque morreu), ligado a mim por laços de família, era culto, bom, interessante, nossos encontros eram uma alegria. Com ele muito aprendi, sua cultura era vasta. A cor de sua pele nunca me incomodou, como, imagino, não o aborreciam meus olhos azuis. Havia coisas bem mais positivas e importantes entre nós e nossas famílias. Não vou desfilar casos com amigos negros, japoneses, árabes, judeus, seja o que for. Mas vou insistir no meu escândalo e repúdio a qualquer movimento que seja discriminatório, que incite o ódio de classes ou o ódio racial, não importa em que terreno for.
Agora, de novo para meu incorrigível assombro, em um lugar deste vasto, belo, contraditório país que a gente tanto ama, desejam sustar a circulação do Dicionário Houaiss, porque no verbete "cigano" consta também o uso pejorativo - que, diga-se de passagem, não foi inventado por Houaiss, mas era ou é uso de alguns falantes brasileiros, que o autor meramente, como de sua obrigação, registrou. Ora, para tentar um empreendimento desse vulto, como suspender um dicionário de tal peso e envergadura, seria preciso um profundo e preciso conhecimento de linguística, de lexicografia, uma formação sólida sobre o que são dicionários e como são feitos.
O dicionarista não inventa, não acusa nem elogia, deve ser imparcial - porque é apenas alguém que registra os fatos da língua, normalmente da língua-padrão, embora haja dicionários de dialetos, de gírias, de termos técnicos etc. Então, se no verbete "cigano" Houaiss colocou também os modos pejorativos como a palavra é ou foi empregada, criticá-lo por isso é uma tolice sem tamanho, que, se não cuidarmos, atingirá outros termos em outros dicionários, com esse olhar rancoroso. Vamos nos informar, antes de falar. Vamos estudar, antes de criticar. Vamos ver em que terreno estamos pisando, antes de atacar obras literárias ou científicas com o azedume de nossos preconceitos e da nossa pequenez ou implicâncias infundadas. Há coisas muito mais importantes a fazer neste país, como estimular o cuidado com a educação, melhorar o atendimento à saúde, promover e preservar a dignidade de todos nós.
Ou, numa mistura maligna de arrogância e ignorância - talvez simplesmente porque não temos nada melhor a fazer -, vamos deletar as palavras que nos incomodam, os costumes que nos irritam, as pessoas que nos atrapalham e, quem sabe, iniciar uma campanha de queima de livros. De autores, seria um segundo passo. E assim caminhará para trás, velozmente, o que temos de humanidade.
(Lya Luft – Revista Veja em 10/03/2012)

segunda-feira, 12 de março de 2012

Zenzando na rede

sexta-feira, 9 de março de 2012

Na vitrola aqui de casa - Águas de Março

Gostei... - Lya Luft no Dia Internacional da Mulher



Blog: Como sempre sensata.

Dica de diversão - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais

Orquestra Filarmônica de Minas Gerais

No dia 17 de Março, sábado, Santa Rita vai receber a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais na sua Turnê Sul de Minas – Temporada 2012.
Os concertos serão regidos pelo maestro Marcos Arakaki, regente assistente da Filarmônica, com solo da violoncelista Elise Pittenger, assistente de chefe de naipe da Orquestra. Serão apresentas as peças Abertura Candide, de Bernstein; O Quebra-nozes: Pas de Deux, deTchaikovsky; Ponteado, de Guerra-Peixe; Elegia, de Fauré, Danzón n°2, de Marquez, Caçadores da Arca Perdida, de John Williams, e Abertura 1812, de Tchaikovsky.
Formada por 85 músicos brasileiros e estrangeiros, a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, em apenas cinco anos de atividades, conta com amplo reconhecimento de público e de crítica especializada e já foi aplaudida por mais de 300 mil pessoas.
Com as turnês estaduais, a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais cumpre o papel de levar a música de concerto a diferentes regiões de Minas Gerais e possibilita que novos públicos tenham o contato direto com música sinfônica de excelência. Todo ano a Filarmônica realiza turnês por Minas Gerais e, desde 2008, o grupo já esteve em 45 cidades mineiras.

Dia 17 de março, sábado, às 20h
Teatro Inatel
Entrada gratuita
Informações: (35) 3471-9200

Persona - Sinhá Moreira

Luzia Rennó Moreira (Sinhá Moreira) - (17 de Setembro de 1907 – 9 de Março de 1963)

quinta-feira, 8 de março de 2012

Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Elisa Lucinda

Lilith Balangandã


Ponho o lenço do pescoço na cabeça
Molho os cabelos com calma
uma mulher é uma espécie de alma com enfeite
Chega diante do espelho
adorna-se como uma árvore de natal
nem é natal
mas ela vai dar bola
Às vezes não varre o quintal
mas pinta as maçãs
blushes ruges
Às vezes não costura
mas realça cortinas
cílios rímel lápis
Às vezes não conserta as portas
mas pinta as bordas das janelas
pálpebras delineador sombra
Mulher é uma Eva encantada
de espalhar-se por fora
em paraíso
batom cintura tesão juízo
pulseiras brincos balangandãs
são seus sonhos de fachada
que repetem de dentro
que rondam a porta da casa
Invento de princesa


Durante todas as primaveras
um cardume de cinderelas
ainda insiste dentro dela.
(Elisa Lucinda)

Você sabia? - Holi ou Festival das Cores

Holi ou Festival das Cores

Holi ou Festival das Cores é um festival da religião Hindu realizado na Índia, todos os anos entre fevereiro e março, que comemora a chegada da Primavera no Hemisfério Norte. Também é comemorado em outros países como Sri Lanka, Nepal, Suriname, Malásia, Bangladesh e países com influência indiana. É comemorado no dia de lua cheia do mês de Phalugna ou Falguna (Phalgun Purnima), que geralmente cai na parte posterior de fevereiro ou março.
São muitas as lendas que explicam o aparecimento do Holi, em geral remetendo ao temível Rei Hiranyakashyap. Muito vaidoso, ele queria que todos no seu reino o venerassem, mas foi justamente o seu filho Prahlad quem resolveu adorar uma entidade diferente, chamada Lord Naarayana. Hiranyakashyap combinou com a sua terrível irmã Holika, que tinha o poder de não se queimar, que ela entraria numa fogueira com Prahlad em seus braços para matá-lo. Mas Holika deu-se mal porque ela não sabia que o seu poder de enfrentar o fogo seria anulado quando ela entrasse na fogueira acompanhada de outra pessoa. Lord Naarayana reconheceu a bondade e devoção de Prahlad e salvou-o.
Todo o ritual simboliza a vitória do bem contra o mal, o triunfo da devoção, e assim como a Primavera é a estação das cores, o Holi é festejado com muito colorido. Neste dia, as pessoas atiram tintas das mais diversas cores umas às outras, com muita bebida, comida e música. Essa brincadeira começa quando crianças atiram as tintas aos pais e irmãos sendo que, no final, todos estão completamente pintados. Todos os dias desse festival, as pessoas se cumprimentam dizendo “Holi Hai”.
O povo canta e dança pelas ruas e nuvens de pó de todas as cores pintam o que quer que toquem, trazendo uma nova vida aos mercados, pessoas e calçadas. Por todo um dia, a regra é brincar, atirar pós e tintas coloridos e esquecer a hierarquia de castas.
(Fonte: Textos da Internet)
Vale a pena conferir algumas fotos aqui.

Na vitrola aqui de casa - Super-homem

Nada como uma mulher cantando esta homenagem masculina às mulheres.

Dica de diversão - Jantar dançante

Zenzando na rede

Feliz Dia Internacional da Mulher para todas as que aparecem por aqui.

terça-feira, 6 de março de 2012

Você sabia? - Keep calm and carry on

KEEP CALM AND CARRY ON

Você já deve ter visto na Internet um pôster vermelho com a frase “KEEP CALM AND CARRY ON” (“Mantenha a calma e siga em frente”), mas você sabe como ele surgiu?
A mensagem de cinco palavras simples fazia parte de uma campanha motivacional do governo inglês durante a II Grande Guerra. Em 1939, com a guerra contra a Alemanha se aproximando e o Governo desenhou três cartazes para manter o moral da população. Estes contou com a coroa do Rei George VI contra um fundo vermelho negrito, e três slogans distintos:
"Freedom is in Peril" (“A liberdade está em perigo”), "Your Courage, Your Cheerfulness, Your Resolution Will Bring Us Victory" ("Sua coragem, sua alegria, sua resolução nos levará a vitória") e "Keep Calm and Carry On”.
Os primeiros dois cartazes foram imediatamente distribuídos e podiam ser vistos em vários locais, mas o terceiro ficou guardado de reserva, com intenção de ser usado apenas em momentos de extrema crise.
Após o fim da Segunda Guerra Mundial, acredita-se que a maioria dos cartazes foram descartados, sem nunca ter visto a luz do dia. Apenas dois exemplares originais são conhecidos por terem sobrevivido.
A mensagem foi totalmente esquecida até 2000, quando uma cópia foi descoberta em uma caixa de livros comprados em leilão pelo livreiro Stuart Manley. Ele e sua esposa Mary gostaram tanto do cartaz que decidiram emoldurá-lo para pendurar na loja, o que chamou muito a atenção dos clientes. Vendo que sua popularidade estava mais que provada, o casal decidiu imprimir e vender cópias de seu cartaz que rapidamente virou um sucesso.
A figura abaixo mostra Stuart Manley, dono da Barter Books, segurando seu cartaz original, que até hoje pode ser visto pendurado na famosa loja em Alnwick, na Inglaterra.
A criação agora está em domínio público, e pode ser vista em quadrinhos, camisetas, canecas, chaveiros, tapetes, etc.
Se você quer ter um pôster deste para decorar sua casa, pode fazer o download aqui.

Não demorou muito para surgirem variações do pôster com algumas mensagens engraçadas.
Mantenha a calma e continue "blogando"
Mantenha a calma Harry ainda está solteiro.

Mantenha a calma e chame o Batman

Você também pode ver este vídeo com a história do pôster.

Na vitrola aqui de casa - Love is everything

Ninguém vive sem um pouco de poesia... - Lya Luft

Canção da mirada secreta


Foram-se os amores que tive

ou me tiveram. Partiram
num cortejo iluminado.
A solidão me ensina
a não acreditar demais na morte,
nem demais na vida: cultivo
o jardim dos dias felizes
onde estamos eu, os sonhos idos,
os velhos amores e os seus recados,
e os olhos deles que ainda brilham
como pedrinhas de cor
entre as raízes.
(Lya Luft)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...